This content is not available in your region

Corrida ao combustível em França

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira  com AFP
Corrida ao combustível em França

<p>Em França, vive-se uma corrida às bombas de gasolina, com várias a ficar sem combustível. Em Grandpuits, perto de Paris, os automobilistas faziam fila de manhã. Algumas bombas já tinham secado. A refinaria vizinha é <a href="http://www.franceinfo.fr/fil-info/article/6-raffineries-sur-8-sont-en-greve-selon-la-cgt-791739">uma das várias em França a ter entrado em greve</a>, como protesto contra a nova lei do trabalho. </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="fr" dir="ltr">Carte des raffineries et dépôts de carburant bloqués, par <a href="https://twitter.com/AFPgraphics"><code>AFPgraphics</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/AFP?src=hash">#AFP</a> <a href="https://t.co/k8mRdP1wW6">pic.twitter.com/k8mRdP1wW6</a></p>&mdash; Agence France-Presse (</code>afpfr) <a href="https://twitter.com/afpfr/status/734735909581520896">May 23, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>As opiniões dividem-se: “Está a tornar-se numa fantochada. É verdade que têm uma causa a defender, tudo bem, mas não podem fazer isto aos utilizadores. Isto não para”, diz um utilizador. Uma cliente da mesma bomba parecia mais resignada e solidária com os grevistas: “Incomoda os utilizadores, é verdade, mas há coisas mais graves, temos de nos adaptar. Tendo em conta o que se está a passar em França neste momento, é um pequeno inconveniente em relação a coisas muito mais graves”.</p> <p>Em Fos-sur-Mer, perto de Marselha, <a href="http://www.franceinfo.fr/fil-info/article/penurie-d-essence-le-depot-petrolier-de-fos-sur-mer-bloque-depuis-cette-nuit-791733">a refinaria e o depósito de combustível continuam bloqueados</a> pelos militantes do sindicato <span class="caps">CGT</span>. A ocupação do sítio promete durar: “Eu e os meus camaradas estamos aqui desde as duas da manhã. E contamos ficar. Enquanto a lei do trabalho não for retirada, os trabalhadores vão ocupar este sítio”, diz Maxime Picard, um dos ocupantes. </p> <p>A lei, da autoria da nova ministra do trabalho Myriam El Komri, é ainda mais polémica, tendo em conta que o governo a fez passar à força no parlamento, sem direito a votação.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="fr" dir="ltr"><a href="https://twitter.com/hashtag/Carburant?src=hash">#Carburant</a> : El Khomri dénonce “la prise en otage des Français” <a href="https://t.co/17vq7Gmhnh">https://t.co/17vq7Gmhnh</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/penuriecarburant?src=hash">#penuriecarburant</a> <a href="https://t.co/DFj3dHbY9I">pic.twitter.com/DFj3dHbY9I</a></p>— Le Point (@LePoint) <a href="https://twitter.com/LePoint/status/734738551070425088">May 23, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>