Azerbaijão liberta jornalista incómoda

Access to the comments Comentários
De  Miguel Roque Dias  com AFP, Reuters, EFE
Azerbaijão liberta jornalista incómoda

<p>A jornalista de investigação azerbaijanesa, Khadija Ismailova, foi libertada da prisão, esta quarta-feira, onde se encontrava a cumprir uma pena de sete anos e meio por acusações que incluíam peculato, atividades comerciais ilegais e fraude fiscal.</p> <p>O Ocidente condenou a prisão da jornalista que considerou como um atentado à liberdade de imprensa. </p> <p>Ismailova afirma que vai lutar para limpar o seu nome.</p> <p>“Vou, naturalmente, mais longe, ao Tribunal Europeu e vou lutar até que seja considerada inocente de todas as acusações. Vou responsabilizar o governo do Azerbaijão por me manter um ano e meio na prisão e por me manter longe do meu trabalho, longe da minha família, dos meus alunos”, afirma.</p> <p>A jornalista expôs vários casos de corrupção envolvendo a elite daquele país do Cáucaso.</p> <p>No início de maio recebeu o prémio Guillermo Cano da Liberdade de Imprensa da Unesco.</p> <p>Para o representante regional da Human Rights Watch, Giorgi Gogia considera que a “a libertação de Khadija e a de mais de uma dúzia de outros ativistas é o primeiro passo mas isso não significa que seja suficiente. O governo tem de fazer muito mais. Tem de libertar outros e permitir que trabalhem livremente no país.”</p> <p>A Organização para a Segurança e Cooperação na Europa apelou, há meses, às autoridades azerbaijanesas para libertarem Ismailova e outros jornalistas detidos.</p> <p>Em março, o Azerbaijão indultou 148 presos, incluindo jornalistas, ativistas de direitos humanos e opositores políticos. Muitos permanecem atrás das grades.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Journalist <a href="https://twitter.com/Khadija_Ismayil"><code>Khadija_Ismayil</a> has been freed, but her conviction&#39;s still yet to be overturned. <a href="https://t.co/PQ5uPF6CnF">https://t.co/PQ5uPF6CnF</a> <a href="https://t.co/gnNm3Juoe2">pic.twitter.com/gnNm3Juoe2</a></p>&mdash; AmnestyInternational (</code>amnesty) <a href="https://twitter.com/amnesty/status/735522823276535808">May 25, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>