Última hora

Em leitura:

Cannes 2016: as escolhas da euronews

cinema

Cannes 2016: as escolhas da euronews

Em parceria com

O Festival de Cinema de Cannes chegou ao fim. A euronews destaca alguns dos tesouros da edição 2016.

“Clash”

“Clash” é uma obra emocionante e extremamente bem realizada, da autoria do cineasta egípcio Mohamed Diab, o autor de “Cairo 678”. A ação do filme passa-se no interior de um veículo militar durante a revolução egípcia, em 2013. Dentro da viatura encontram-se pessoas aparentemente muito diferentes: membros da Irmandade Muçulmana, revolucionários e apoiantes dos militares. O realizador utilizou várias câmaras para criar um verdadeiro filme de ação.

“Wrong Elements”

Depois de ter ganho o prémio Goncourt, o escritor franco-americano Jonathan Littell aventurou-se no universo do documentário.
Apresentado durante uma sessão especial, em Cannes, “Wrong Elements“é uma visão contemplativa sobre a vida das antigas crianças soldados do Uganda. Em vinte e cinco anos, o senhor da guerra Joseph Kony raptou sessenta mil crianças para criar um exército. O filme segue a vida das antigas crianças soldados que foram ao mesmo tempo vítimas e carrascos. O realizador dá a palavra aos protagonistas sem interferências nem julgamentos.

“Toni Erdmann”

Numa seleção onde o tema da violência esteve muitas vezes presente, a realizadora alemã Maren Ade suscitou muitas gargalhadas graças à comédia realista “Toni Erdmann”. A longa-metragem alemã conta a história de Winifried, um professor alemão divorciado que decide visitar a filha. O problema é que a filha vive para o trabalho e não tem vontade de receber visitas. A longa-metragem que fez rir e chorar o público venceu o prémio de melhor filme da associação internacional de críticos de cinema.

“The Handmaiden”

E terminamos a nossa seleção dos melhores filmes de Cannes com “The Handmaiden”. A obra do realizador coreano Park Chan-Wook é um romance histórico apimentado com erotismo lésbico, humor e horror. O filme é uma adaptação do romance policial “Fingersmith” de Sarah Waters.
A história é transposta para o Japão dos anos 30 e segue a vida de uma jovem coreana que escapa à pobreza graças a uma aliança com um cavalheiro desonesto. Realizada pelo autor do filme de culto “Oldboy”, a obra do realizador coreano é um tríptico ambicioso e divertido onde o amor acaba por levar a melhor, mas não da forma esperada.

Artigo seguinte