This content is not available in your region

Insígnias curdas em fardas americanas geram polémica entre Ancara e Washington

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Insígnias curdas em fardas americanas geram polémica entre Ancara e Washington

<p>Os Estados Unidos emendaram a mão depois de terem sido divulgadas imagens de elementos das forças especiais com a insígnia de uma milícia curda, o que suscitou um forte protesto da Turquia.</p> <p>As Unidades de Proteção do Povo combatem o autoproclamado Estado Islâmico no norte da Síria mas são consideradas uma milícia terrorista pelo governo de Ancara.</p> <p>“A questão é que as insígnias não são autorizadas, por isso foi-lhes ordenado para as retirarem – refere o porta-voz do exército, o coronel Steven Warren. No que diz respeito a punições adicionais, não estou ao corrente de nada, mas o importante é que a situação foi corrigida e nós comunicámos aos nossos aliados que esta conduta não era apropriada nem autorizada.”</p> <p>As palavras do ministro turco dos Negócios Estrangeiros, Mevlut Cavusoglu, não deixam dúvidas quanto ao incómodo que a questão suscita em Ancara:</p> <p>“Recomendamos que passem a usar as insígnias do autoproclamado Estado Islâmico, da Frente Al-Nusra e da Al-Qaida durante as operações noutras regiões da Síria. E já agora também podem usar a do Boko Haram quando estiverem em África, uma vez que não veem as Unidades de Proteção do Povo como uma organização terrorista.”</p> <p>Para a Turquia esta milícia está intimamente ligada ao <span class="caps">PKK</span>, que lidera uma rebelião em solo turco desde 1984.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="fr"><p lang="fr" dir="ltr"><a href="https://twitter.com/hashtag/Syrie?src=hash">#Syrie</a> des forces spéciales <a href="https://twitter.com/hashtag/US?src=hash">#US</a> au nord de <a href="https://twitter.com/hashtag/Raqqa?src=hash">#Raqqa</a> portant insignes <a href="https://twitter.com/hashtag/YPG?src=hash">#YPG</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Kurde?src=hash">#Kurde</a> <a href="https://t.co/RGkl3i03mO">pic.twitter.com/RGkl3i03mO</a></p>— Wassim Nasr (@SimNasr) <a href="https://twitter.com/SimNasr/status/735784645468422144">26 mai 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>