Última hora

Em leitura:

Insígnias curdas em fardas americanas geram polémica entre Ancara e Washington

mundo

Insígnias curdas em fardas americanas geram polémica entre Ancara e Washington

Publicidade

Os Estados Unidos emendaram a mão depois de terem sido divulgadas imagens de elementos das forças especiais com a insígnia de uma milícia curda, o que suscitou um forte protesto da Turquia.

As Unidades de Proteção do Povo combatem o autoproclamado Estado Islâmico no norte da Síria mas são consideradas uma milícia terrorista pelo governo de Ancara.

“A questão é que as insígnias não são autorizadas, por isso foi-lhes ordenado para as retirarem – refere o porta-voz do exército, o coronel Steven Warren. No que diz respeito a punições adicionais, não estou ao corrente de nada, mas o importante é que a situação foi corrigida e nós comunicámos aos nossos aliados que esta conduta não era apropriada nem autorizada.”

As palavras do ministro turco dos Negócios Estrangeiros, Mevlut Cavusoglu, não deixam dúvidas quanto ao incómodo que a questão suscita em Ancara:

“Recomendamos que passem a usar as insígnias do autoproclamado Estado Islâmico, da Frente Al-Nusra e da Al-Qaida durante as operações noutras regiões da Síria. E já agora também podem usar a do Boko Haram quando estiverem em África, uma vez que não veem as Unidades de Proteção do Povo como uma organização terrorista.”

Para a Turquia esta milícia está intimamente ligada ao PKK, que lidera uma rebelião em solo turco desde 1984.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

Artigo seguinte