Jordânia: 5 mortos em ataque junto a campo de refugiados, 1 suspeito detido

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques  com PETRA, JORDAN TIMES, REUTERS
Jordânia: 5 mortos em ataque junto a campo de refugiados, 1 suspeito detido

<p>Cinco pessoas morreram esta segunda-feira na sequência do ataque a um posto de segurança junto ao campo de refugiados de Baqa’a, 20 quilómetros a norte da capital da Jordânia, Amã. O principal suspeito já foi detido, informou o porta-voz do governo e ministro da Comunicação Social, Muhammad Momani.</p> <p>O ataque aconteceu pelas sete horas da manhã locais (quatro da manhã em Lisboa). As vítimas mortais, de acordo com a agência de notícias local, a Petra, são três agentes dos serviços de segurança jordanos, uma sentinela e um operador telefónico do posto. </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">Gov't Spokesperson Mohammad Momani said the office, in Baqaa refugee camp north of Amman, was attacked around 7am by unknown assailants. 3/3</p>— The Jordan Times (@jordantimes) <a href="https://twitter.com/jordantimes/status/739740040016842753">6 de junho de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>As suspeitas iniciais do porta-voz do governo jordano, citado pela agência de notícias Petra, apontavam para “um ataque terrorista”. “É um bom exemplo do comportamento criminoso e do extremismo destes terroristas”, terá dito, na altura, Muhammad Momani. Os primeiros indícios recolhidos pela investigação do Departamento Geral de Inteligência (<span class="caps">GID</span>, na sigla em inglês) apontam agora para um ataque isolado com motivações ainda por clarificar.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">Al Momani: Terrorists target Intelligence office in Baqa'a .. first lead <a href="https://t.co/eCwCggMJUT">https://t.co/eCwCggMJUT</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/JO?src=hash">#JO</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Jordan?src=hash">#Jordan</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Petra?src=hash">#Petra</a></p>— Jordan News Agency (@Petranews) <a href="https://twitter.com/Petranews/status/739762758892167168">6 de junho de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">Minister: Suspect involved in attack on <span class="caps">GID</span>'s Baqa'a office arrested <a href="https://t.co/d82CFvYkNL">https://t.co/d82CFvYkNL</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/JO?src=hash">#JO</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Jordan?src=hash">#Jordan</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Petra?src=hash">#Petra</a></p>— Jordan News Agency (@Petranews) <a href="https://twitter.com/Petranews/status/739936606681890816">6 de junho de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>Um antigo deputado jordano, Mahmoud Kharabsheh, condenou o ataque e considerou-o “um ato de cobardia”. “Posso assegurar-vos de que este foi um ataque tangencial levado a cabo aqui porque eles não foram capazes de atingir importantes alvos. Foi por isso que atacaram o posto do campo de Baqa’a, situado numa rua principal, a Irbid, a estrada que liga a Jordânia à Síria”, explicou.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">What do you know about Baqaa – Jordan's largest refugee camp? <a href="https://t.co/s3nOfmk7AA">https://t.co/s3nOfmk7AA</a> <a href="https://t.co/CwNLxLwhOy">pic.twitter.com/CwNLxLwhOy</a></p>— Middle East Eye (@MiddleEastEye) <a href="https://twitter.com/MiddleEastEye/status/739789008763523072">6 de junho de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>Baqa’a é o maior campo de refugiados palestinianos da Jordânia. Criado em 1968, após a guerra que levou à fundação de Israel, alberga mais de 70.000 pessoas. As suspeitas da origem do alegado ataque terrorista recaem num crescente atrito entre jordanos e os compatriotas descendentes de palestinianos ou numa vingança de afiliados do “Daesh”, o grupo terrorista autoproclamado Estado Islâmico, devido à participação da Jordânia na aliança militar liderada pelos Estados Unidos que combate os “jihadistas” no Iraque.</p> <p>Uma investigação foi lançada ao ataque desta segunda-feira ao posto de segurança junto ao campo de refugiados. Meios de comunicação locais estão a adiantar a detenção de pelo menos dois suspeitos.</p>