Última hora

Em leitura:

Muçulmanos iniciam Ramadão

mundo

Muçulmanos iniciam Ramadão

Publicidade

Já começou o Ramadão, nono mês do calendário islâmico, em que os muçulmanos se abstêm de comer, beber, fumar ou ter relações sexuais desde o nascer até ao pôr-do-sol. O cumprimento dos 29 ou 30 dias de jejum é um dos cinco pilares do Islão. Apenas as mulheres grávidas ou com a menstruação, os doentes, as crianças e os viajantes estão dispensados.

Israel prometeu aliviar as restrições de movimentos aplicadas aos palestinianos da Cisjordânia ocupada e da Faixa de Gaza. Até 500 habitantes de Gaza serão autorizados a ir à oração de sexta-feira na mesquita de Al-Aqsa, terceiro local mais sagrado do Islamismo, situado em Jerusalém.

“Apesar da ocupação e de tudo o que se passa à nossa volta, com os mártires e os feridos do conflito, gostamos de desfrutar e de nos sentirmos felizes durante o Ramadão e as férias”, diz Rajaee Salaymeh, residente em Hebrom.

Mas se enquanto o sol brilha, os muçulmanos jejuam, quando o sol se põe, as famílias reúnem-se em torno de uma mesa farta. Mas na Síria, destroçada pela guerra, não há muito ânimo para festa. “Para agravar, psicologicamente, as pessoas não estão felizes. Em segundo lugar, a situação económica não permite às pessoas comprarem rebuçados e outras coisas para celebrarem”, afirma Abu Anas, cidadão sírio.

No Golfo Pérsico, ontem ao pôr-do-sol, os muçulmanos procuraram a Lua Nova, que marca o início do Ramadão, mas em países como Marrocos e Irão, o mês de jejum só começa terça-feira.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte