Última hora

Cameron diz que "Brexit" pode conduzir a recessão

David Cameron alerta para o perigo do “Brexit” para a economia britânica, avisando que a saída do Reino Unido da União Europeia pode abrir a via a uma…

Em leitura:

Cameron diz que "Brexit" pode conduzir a recessão

Tamanho do texto Aa Aa

David Cameron alerta para o perigo do “Brexit” para a economia britânica, avisando que a saída do Reino Unido da União Europeia pode abrir a via a uma “recessão”.

allviews Created with Sketch. Point of view

"Se sairmos, vamos continuar a (...) ter de respeitar as regras ditadas por Bruxelas, mas deixaremos de estar sentados na mesa."

David Cameron primeiro-ministro britânico

O primeiro-ministro britânico e o líder eurocético Nigel Farage participaram em sessões sucessivas de questões e respostas com o público organizadas pelo canal privado ITV.

Cameron: “Isto é o que vai realmente acontecer se sairmos: vamos continuar a querer vender no mercado único e, por isso, a ter de respeitar as regras ditadas por Bruxelas, mas deixaremos de estar sentados na mesa… Estaremos com a orelha e a cara colada contra o vidro a tentar perceber o que se está a passar com os outros 27 países que fazem regras que afetam o nosso país.”

Já o líder do partido anti-imigração UKIP, voltou aos tradicionais “cavalos de batalha”: Nigel Farage criticou a Zona Euro e a política migratória europeia:

“A Zona Euro é uma catástrofe. Basta olhar para o que fizeram com a Grécia e todos aqueles países mediterrânicos. A crise migratória está agora a dividir, para além de países, no interior desses países, conduzindo a todo um novo tipo de políticas. O dinheiro esgotou-se e, ao mesmo tempo, eles estão a poupar para, no dia a seguir ao nosso referendo, fazerem anúncios acerca de um exército europeu e de um aumento do orçamento europeu. O projeto não funciona.”

A 15 dias do referendo no Reino Unido, as sondagens continuam a oscilar entre a vitória dos que querem continuar na União Europeia e a dos que preferem sair, razão pela qual os dois campos se concentram fortemente nos cerca de 10 por cento de indecisos.