This content is not available in your region

Cidadão francês detido na Ucrânia por suspeita de preparar atentados terroristas a cometer no Euro 2016

Access to the comments Comentários
De  Sergio Cantone  com ANTÓNIO OLIVEIRA E SILVA
Cidadão francês detido na Ucrânia por suspeita de preparar atentados terroristas a cometer no Euro 2016

<p>Foi na segunda-feira que os <span class="caps">SBU</span>, serviços secretos ucranianos, anunciaram a detenção de Gregory Moutaux, de 25 anos, suspeito de preparar ataques em solo francês durante o campeonato europeu de futebol de 2016, a realizar nos meses de junho e julho.</p> <p>Moutaux foi detido 21 de maio na fronteira polaco-ucraniana depois de seis meses de investigação. De acordo com Vasyl Hrytsak, chefe dos serviços secretos ucranianos, Moutaux pleaneava atacar uma mesquita, uma sinagoga e uma agência das finanças francesa, para mostrar a sua oposição à política francesa de imigração do Estado, à expansão do Islão e à globalização.</p> <p><span class="caps">EURONEWS</span><br /> Bem-vindo à Euronews.<br /> No que diz respeito a esta operação, considera que foi concluida ou ainda há trabalho para fazer?</p> <p><span class="caps">VASYL</span> <span class="caps">HRYTSAK</span><br /> Tanto quanto sei, esta pessoa tem trabalhado para uma empresa agrícola. No entanto, tinha em seu poder uma arma durante a sua estada na Ucrânia.<br /> Temos provas em fotografia e em vídeo, com imagens que o mostram claramente com uma Kalashnikov na mão. <br /> E pode ver-se que sabe como utilizá-la.<br /> Os homens das forças especiais sabem como colocar o dedo neste tipo de arma.Não no gatilho, mas no recebedor. E ele mostrou-se entusiasmado com a ideia de cometer atentados terroristas em França. Queixou-se de muita coisa e disse que existe uma organização à qual pertence. Não parecia ser apenas alguém que apenas queria comprar armas e entregá-las em França.</p> <p><span class="caps">EURONEWS</span><br /> A que organização pertence este homem, de acordo com a investigação?</p> <p><span class="caps">VASYL</span> <span class="caps">HRYTSAK</span><br /> Infelizmente, não posso revelar as provas que obtivemos até agora. Mas é provavelmente uma organização de extrema-direita.</p> <p><span class="caps">EURONEWS</span><br /> Trata-se de uma organização de extrema-direita francesa, europeia ou trasnacional?</p> <p><span class="caps">VASYL</span> <span class="caps">HRYTSAK</span><br /> Não posso dizer se operam apenas em França. Mas o que a investigação inicial nos permitiu entender foi que a maioria dos seus membros são cidadãos franceses.</p> <p><span class="caps">EURONEWS</span><br /> E que unidade militar ucraniana contactou a pessoa em causa?</p> <p><span class="caps">VASYL</span> <span class="caps">HRYTSAK</span><br /> Com batalhões voluntários e com representantes do exército ucraniano.Falhou em várias tentativas, na verdade, antes de chegar até nós. </p> <p><span class="caps">EURONEWS</span><br /> O que seria um bom contacto para ele? Um esquadrão especial ou o exército? E quem lhe venderia essa arma?</p> <p><span class="caps">VASYL</span> <span class="caps">HRYTSAK</span><br /> A determinado momento e de acordo com o previsto na atual legislação ucraniana, os serviços secretos nacionais decidiram começar uma relação operacional com um cidadão francês para entender quais as intenções dele ao comprar armas e saber se iria realmente cometer atentados terroristas na Europa. </p> <p><span class="caps">EURONEWS</span><br /> E quanto pagou?</p> <p><span class="caps">VASYL</span> <span class="caps">HRYTSAK</span><br /> Fez vários pagamentos. Quando gostou da conversa com um potencial vendedor, ofereceu um primeiro pagamento, por adiantado, no valor de 5 mil euros. Mas havia mais pessoas envolvidas no que diz respeito aos pagamentos e compra de meios de destruição. Trouxeram o dinheiro, vivo, para a Ucrânia. </p> <p>Com a contribuição de António Oliveira e Silva.</p>