Última hora

Em leitura:

Tony Awards 2016: nomeados reagem à sombra do massacre de Orlando

Cult

Tony Awards 2016: nomeados reagem à sombra do massacre de Orlando

In partnership with

Nos Tony Awards deste ano esperava-se que as atenções recaíssem sobre Hamilton, o sucesso musical da Broadway que teve 16 nomeações. Contudo, o tiroteio de domingo num clube nocturno gay de Orlando, na Florida, ensombrou a cerimónia.

Os nomeados expressaram choque e pediram mudanças na lei de porte de armas.

Andrew Lloyd Webber, compositor, declarou: “Tivemos Paris, agora isto. É um mundo muito, muito preocupante, este em que vivemos. E é algo que todos nós, os que trabalhamos em música e teatro e por aí fora, apenas podemos combater continuando a fazer o que fazemos. E é por isso que penso que todos devemos lutar com a força capacitante que a arte tem.”

Glenn Close expressou incredulidade. A actriz parece ainda não conseguir assimilar o que aconteceu: “Estou chocada. É algo que penso que queremos tempo para processar realmente porque parece estar a acontecer demasiado…um amigo _gay_disse-me: ‘Nunca pensei que fosse a um clube e tivesse de verificar onde estão as saídas de emergência.’ Então, não queremos viver assim!”

O actor Gabriel Byrne não só referiu a necessidade de controlo de armas, como focou a estranheza de limites reais para a comunidade LGBT: “ Isto não é apenas a questão da obscenidade do que se passou em Orlando. Temos uma situação em Orlando em que se pode comprar uma arma de assalto sem licença, mas um homossexual não pode doar o seu próprio sangue para salvar o irmão. Isso é uma obscenidade.”

Danny Burstein deu conta da incredulidade e referiu-se também à sensível questão da legislação sobre armamento: “Eu não podia acreditar, mas, no entanto, aconteceu outra vez. E continua a acontecer de novo. Eventualmente, vamos ter de aprovar leis sensíveis sobre porte de armas e vamos ter de eleger pessoas que tenham leis sobre restrição de uso de armas no programa.”

Também Gloria Estefan se mostrou sensibilizada, num repúdio da violência: “É doloroso, é horrível. Quando acordei, pensei ‘ó senhor, que mais?’ Todos os dias estamos a enfrentar alguma coisa fora do normal e o mundo que estamos a deixar às nossas crianças… Tudo o que podemos tentar fazer é criar uma nova geração com muito amor, e fazê-los aprender mais amor do que ódio. Temos de nos afastar da violência em geral e talvez isso faça a diferença.”

A septuagésima edição dos Tony Awards foi dedicada às vítimas de Orlando.

Artigo seguinte