Última hora

Em leitura:

Relatório da ONU reconhece genocídio de Yazidis na Síria

mundo

Relatório da ONU reconhece genocídio de Yazidis na Síria

Publicidade

O grupo Estado Islâmico (EI) continua a levar a cabo um genocídio contra a comunidade yazidi na Síria. A denúncia foi apresentada esta quinta-feira pela Comissão Independente de Inquérito da ONU sobre os Direitos Humanos no país.

Um relatório, baseado em 45 entrevistas a sobreviventes e personalidades no terreno, revela que o grupo armado mantém escravizadas mais de 3.200 crianças e mulheres yazidis na Síria, deslocados à força da província iraquiana de Sinjar (bastião da comunidade).

Segundo o brasileiro Paulo Pinheiro, que chefia a Comissão Independente de Inquérito da ONU, “o abuso de homens, mulheres e crianças Yazidi por parte do grupo EI revela um genocídio, crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Desde o ataque a Sinjar (em Agosto de 2014), até hoje, o EI quis ‘apagar’ os Yazidis através de assassínios, escravidão sexual, escravidão, tortura, maus tratos desumanos e degradantes e deslocações forçadas, provocando danos mentais e físicos”.

O documento, remetido ao Conselho de Segurança da ONU, denuncia igualmente o desaparecimento de milhares de rapazes e homens da comunidade étnico-religiosa – cujo credo monoteísta se inspira tanto no Cristianismo como no Islão – considerada herética pelos islamitas.

A Comissão de inquérito da ONU exige que as provas sejam remetidas ao Tribunal Penal Internacional para abrir um processo contra o grupo Estado Islâmico.

A primeira versão (resumida) do relatório da Comissão de Inquérito da ONU pode ser consultada aqui .

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte