Última hora

Em leitura:

Esquerdista, ex-juíza e septuagenária: Conheça Manuela Carmena, "alcaldesa" de Madrid

insiders

Esquerdista, ex-juíza e septuagenária: Conheça Manuela Carmena, "alcaldesa" de Madrid

Em parceria com

No Parque do Retiro, no centro de Madrid, assistimos à inauguração da Festa do Livro. É um dos eventos mais populares do ano. As mais altas personalidades do país vêm assistir, incluindo a rainha Letizia, vinda diretamente do Palácio da Zarzuela.

Longe do protocolo, no meio da multidão, está Manuela Carmena, 72 anos, presidente da câmara de Madrid. Aqui, as pessoas tratam-na pelo nome próprio.

Antiga juíza, eleita graças ao apoio do Podemos, é uma das figuras de proa da nova esquerda espanhola. Manteve-se próxima das pessoas, as mesmas que a elegeram. O estilo descontraído continua a seduzir muitos madrilenos. No dia seguinte à eleição, recusou o carro oficial e foi trabalhar de metro.

Durante 25 anos, Madrid foi um bastião da direita, com uma política marcada por escândalos de corrupção e uma política conservadora.

A mudança é visível: À entrada da Câmara, uma bandeirola dá as boas vindas aos refugiados. Encontramos Manuela Carmena no gabinete. Por detrás da aparência de avó, esconde-se uma política conhecida pela eficácia: Reduziu a dívida pública do município em 20% e parou as expulsões nas habitações sociais.

“A força da crise económica provocada pela especulação imobiliária mergulhou vários bairros numa situação muito precária, sobretudo na zona sul, mais desfavorecida. A minha missão é reintegrar estes bairros na cidade, não só para melhorar o nível de vida, como também para lhes dar alguma dignidade”, diz a “alcaldesa”.

Restabelecer os laços sociais é a parte mais importante na política de Manuela Carmena para a cidade. Desbloqueou um fundo de 60 milhões de euros para projetos dos cidadãos: “Este projeto participativo é muito interessante e tem como objetivo reatar os laços entre os cidadãos e o dinheiro público. Se os madrilenos quiserem um novo complexo desportivo, uma praça ou um monumento de iniciativa deles, acredito que vão ter muito mais cuidado do que com algo que seja imposto pelo poder”, explica.

Este projeto-piloto já recolheu 5000 propostas. Entre elas, a de Antonio Gómez e dos amigos, apaixonados pela prática do “parkour”. Vivem em Vallecas, um dos bairros mais desfavorecidos de Madrid. Com ajuda da Câmara, vai ser criado um centro de treino para cerca de 50 jovens da zona: “Aqui vamos ter obstáculos altos e formas diferentes para treinar os saltos. Com as ajudas dos técnicos da Câmara, temos um orçamento aproximativo de 150.000 euros. É concreto. É a primeira vez que temos algo nosso e, sobretudo, é a primeira vez que somos verdadeiramente ouvidos. Não são só palavras”, conta o jovem presidente da associação «Estarydurar».

Este projeto participativo é uma estreia em Madrid e inspira-se em cidades como Reykijaik ou New York. Os primeiros fundos vão ser pagos em janeiro.

Voltamos a encontrar Manuela Carmena na cerimónia de entrega do prémio de mulher do ano, entregue por um diário madrileno. É a primeira vez que o prémio é atribuído a uma personalidade política de esquerda: “É um pouco estranho, porque há um ano era uma juíza reformada, uma pessoa de idade, simpática, praticamente uma desconhecida e no espaço de um dia toda a minha vida tornou-se transparente. Acontecem-me coisas curiosas. O importante é sermos nós próprios, é assim que deve ser”, disse no discurso de agradecimento.

No público, El Langui, um dos rappers espanhóis mais implicados politicamente. Nas canções, celebra o fim do poder da direita em Madrid.

Como muios no bairro, votou em Manuela Carmena, mas até agora não vê grande diferença: “Os bairros precisam de Carmena e de toda a equipa. Tem que trabalhar mais profundamente em locais problemáticos, onde continua a haver tráfico de droga, onde as mulheres lutam para salvar os filhos deste flagelo. Ela fala disso nos discursos. Aplaudo a mudança, mas digo: Carmena, vem ao meu bairro ver as ruas e o lixo, não durmas à sombra dos louros”, diz o rapper.

Esta noite, Manuela Carmena saboreia o sucesso, mas sabe que o combate está longe de estar ganho. Madrid é a capital com menos alojamento social na Europa.

_Contraditório: Se a administração de Carmena recolhe aplausos de grandes setores da sociedade madrilena, o PP e o PSOE têm duras críticas a fazer. Saiba quais neste artigo_

ALL VIEWS

Clique para descobrir
Artigo seguinte