Autárquicas italianas: Agora é que são elas

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira  com Reuters, ANSA
Autárquicas italianas: Agora é que são elas

<p>Roma vai ter, pela primeira vez, uma mulher como presidente da Câmara. os resultados da segunda volta destas autárquicas parciais em Itália confirmaram o que já a primeira volta tinha deixado no ar: Vitórias do Movimento Cinco Estrelas (M5E), com Virginia Raggi em Roma e outra mulher, Chiara Appendino, em Turim.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="it" dir="ltr">A riveder le Stelle! <a href="https://t.co/zHbwg2Xm2Y">pic.twitter.com/zHbwg2Xm2Y</a></p>— Virginia Raggi (@virginiaraggi) <a href="https://twitter.com/virginiaraggi/status/744567255418167296">June 19, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>O movimento antissistema liderado pelo comediante Bebbe Grillo é o grande vencedor destas eleições. Os perdedores são o Partido Democrático do Primeiro-Ministro Matteo Renzi e o centro-direita de Silvio Berlusconi.</p> <p>Milão foi a única das quatro maiores cidades italianas a eleger um candidato dos partidos tradicionais: Giuseppe Sala garante que o centro-esquerda continua a cidade.</p> <p>Já em Nápoles, o independente de esquerda Luigi De Magistris conseguiu a reeleição. </p> <p>Nestas eleições, os italianos escolheram os presidentes de mais de mil municípios, incluindo das principais capitais de região e província.</p>