This content is not available in your region

Sindicatos vão manifestar amanhã em Paris mas num percurso alternativo

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Sindicatos vão manifestar amanhã em Paris mas num percurso alternativo

<p>As autoridades francesas fazem marcha-atrás na decisão de probir a manifestação contra a reforma laboral, agendada para amanhã em Paris.</p> <p>Reunidos esta manhã com o ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, os sindicatos conseguiram chegar a um compromisso para manter o protesto, apesar dos “problemas de segurança” evocados pelas autoridades parisienses.</p> <p>O acordo passa por um percurso alternativo de 1,6Km, mais afastado do centro da capital, em torno da bacia de L’Arsenal, junto à praça da Bastilha, em Paris.</p> <p>Os sete sindicatos que promovem o protesto – o décimo em três meses de mobilização – anunciaram igualmente que vão manter a outra marcha prevista para 28 de Junho, cujas modalidades deverão ainda ser discutidas nos próximos dias.</p> <p>O novo percurso da manifestação de amanhã em Paris:</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-partner="tweetdeck"><p lang="fr" dir="ltr">Voici le parcours de la <a href="https://twitter.com/hashtag/manif23juin?src=hash">#manif23juin</a> <a href="https://t.co/Nwy0NvlM7V">https://t.co/Nwy0NvlM7V</a> <a href="https://t.co/y71P1wCfqx">pic.twitter.com/y71P1wCfqx</a></p>— Le HuffPost (@LeHuffPost) <a href="https://twitter.com/LeHuffPost/status/745575593291427840">June 22, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script></p> <p>O governo tenta assim fazer o difícil equilíbrio entre o direito à manifestação, evocado pelos sindicatos e o alerta antiterrorista e o estado de emergência em vigor no país desde os atentados na capital.</p> <p><blockquote class="twitter-tweet" data-partner="tweetdeck"><p lang="fr" dir="ltr"><a href="https://twitter.com/hashtag/loitravail?src=hash">#loitravail</a> : pas manif. Communiqué de la préfecture <a href="https://t.co/kpKiBeV2eE">pic.twitter.com/kpKiBeV2eE</a></p>— Marion L'Hour (@MarionLHour) <a href="https://twitter.com/MarionLHour/status/745514744673505284">June 22, 2016</a></blockquote></p> <p>Os sindicatos tinham rejeitado ontem a proposta de uma manifestação estática numa praça de Paris, formulada pelo ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, denunciando uma posição do governo “contrária aos direitos fundamentais”.</p> <p>A proibição de manifestar foi decidida depois do último protesto, no dia 14 de Junho, ter sido marcado por incidentes à margem da manifestação, que provocaram mais de 30 feridos entre ativistas e polícias.</p> <p>O protesto de quinta-feira, marcado para as 14H, é o décimo a ser convocado nos últimos três meses contra a polémica reforma laboral, quando o governo rejeita fazer marcha-atrás.</p> <p>Uma sondagem publicada no domingo indicava que cerca de <a href="http://www.ouest-france.fr/economie/emploi/loi-travail/loi-travail-60-des-francais-soutiennent-le-mouvement-4308651">60%</a> dos franceses apoiam a mobilização dos sindicatos.</p>