Última hora

Putin afirma que estratégia de Cameron produziu efeitos adversos

O presidente russo Vladimir Putin rejeitou alegações feitas pelo primeiro-ministro britânico segundo as quais ele ficaria satisfeito com a saída do Reino Unido da União…

Em leitura:

Putin afirma que estratégia de Cameron produziu efeitos adversos

Tamanho do texto Aa Aa

O presidente russo Vladimir Putin rejeitou alegações feitas pelo primeiro-ministro britânico segundo as quais ele ficaria satisfeito com a saída do Reino Unido da União Europeia.

allviews Created with Sketch. Point of view

"Após a Grã-Bretanha, outros irão abandonar a União Europeia, a NATO vai desintegrar-se, assim como Schengen e o euro"

Vladimir Zhirinovsky Líder do partido Liberal Democrático

Falando esta sexta-feira a partir do Uzbequistão onde participa numa cimeira sobre segurança, Putin afirmou que vai manter-se atento aos desenvolvimentos.

“Trata-se de uma escolha da Grã-Bretanha. Não temos nada que ver com isto e não pretendemos interferir. Aparentemente a decisão dos britânicos de saírem da União Europeia será acompanhada por certos procedimentos formais. Vamos continuar atentos”, disse Vladimir Putin.

Em Moscovo, os ecos do chamado Brexit fizeram-se sentir no seio do parlamento, a Duma.

O líder do partido Liberal Democrático, Vladimir Zhirinovsky, afirma que a decisão dos britânicos será apoiada por outros países.

“Após a Grã-Bretanha, outros irão abandonar a União Europeia, a NATO vai desintegrar-se, assim como Schengen e o euro. Por isso, viva o rublo russo e o desenvolvimento de relações entre a Rússia e as nações democráticas da Europa”, afirmou Zhirinovsky.

O presidente do comité de relações externas da Duma, Alexei Pushkov, adiantou que David Cameron serviu-se da Rússia para amedrontar a população.

“Ele posicionou-se contra a saída da União Europeia e usou a Rússia e Putin para difundir o medo dizendo que um voto a favor da saída seria uma vitória para a política externa russa. Nada disto ajudou a campanha e ele comprometeu a sua posição”.

A Rússia continua a ser alvo de sanções económicas por parte da União Europeia devido à situação na Ucrânia.