Última hora

Em leitura:

Copa América Centenário: A festa do Chile no adeus em lágrimas de Messi à Argentina

Desporto

Copa América Centenário: A festa do Chile no adeus em lágrimas de Messi à Argentina

Publicidade

O Chile é o primeiro vencedor da nova Copa América, a primeira edição do torneio realizado fora da América do Sul, neste caso nos Estados Unidos, envolvendo as duas confederações americanas, a CONMEBOL e a CONCACAF, e integrando 16 equipas.

Um ano depois de ter perdido a final da versão antiga e no meio de várias polémicas com a Associação Argentina de Futebol (AFA), Lionel Messi não superou novo desaire e decidiu bater com a porta, anunciando o adeus à “albiceleste” com uma triste derradeira imagem. Já lá vamos.

Nesta histórica final, chilenos e argentinos reencontraram-se quase um ano depois de se terem digladiado pela Copa América 2015. A 4 de julho do ano passado, em Santiago do Chile, ambas as equipas não conseguiram marcar no “jogo jogado” e tiveram de decidir o troféu nos penáltis. Agora, também.

Quanto ao jogo, como seria de esperar, foi intenso. Aos 21 minutos, Gonzalo Higuaín isolou-se e desperdiçou uma excelente oportunidade de marcar. À meia hora, o chileno Marcelo Diaz viu o segundo cartão amarelo e foi expulso pelo árbitro brasileiro Héber Lopes.

À beira do intervalo, foi o ex-sportinguista Marcos Rojo a ver vermelho direto. As duas equipas foram para a segunda parte “dez contra dez” e chegaram ao final dos 90 minutos empatadas a zero. No único prolongamento previsto nesta edição especial da Copa América, e cumprido, o nulo manteve-se. Foi necessário o desempate por penáltis.

Tal como há um ano, o Chile foi o primeiro a marcar, mas desta vez, ao contrário do ex-sportinguista Matías Fernandez em 2015, Arturo Vidal permitiu a defesa de Sérgio Romero. Logo a seguir, no derradeiro remate com a camisola da Argentina vestida, Lionel Messi atirou por cima da baliza.

À quarta série, Lucas Biglia também permitiu a defesa de Cláudio Bravo (eleito o melhor em campo e o guarda-redes do torneio) e deixou tudo a perder. No penálti decisivo, Francisco Silva, não perdoou e deu ao Chile o segundo título consecutivo na Copa América, desta feita, com o treinador hispanoargentino Juan Antonio Pizzi, ex-jogador do FC Porto, aos comandos da “La Roja” sulamericana.

A Argentina ficou a chorar nova derrota e o adeus de Messi, o atual melhor jogador do mundo para a FIFA. O jogador do Barcelona deixa a seleção principal aos 29 anos e sem qualquer título ganho, mas consegue um último e difícil triunfo extra-futebol: o seu adeus à seleção terá sido o tema mais procurado na internet esta segunda-feira à frente da série televisiva de enorme sucesso “Jogo de Tronos” (“Game of Thrones”), cuja sexta temporada terminou este domingo nos Estados Unidos.

 

Lionel Messi na seleção da Argentina

  • 15 jogos em campeonatos do Mundo;
  • 21 jogos na Copa américa;
  • 37 Jogos de qualificação para Mundiais;
  • 40 jogos de preparação;
  • Totais: 113 internacionalizações/ 69 v/ 24 e/ 20 d;
  • 55 golos, 6 cartões amarelos/ 1 vermelho.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte