This content is not available in your region

Europeus receiam que chegada de refugiados aumente o risco de ataques terroristas

Access to the comments Comentários
De  Miguel Roque Dias  com Reuters
Europeus receiam que chegada de refugiados aumente o risco de ataques terroristas

<p>A maioria dos europeus diz ter medo que a chegada de refugiados e migrantes possa aumentar o risco de ataques terroristas e olham para estes deslocados com um “fardo” para a economia dos seus países.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">Many Europeans are concerned refugees will increase threat of domestic terrorism <a href="https://t.co/hJQA7J5qKB">https://t.co/hJQA7J5qKB</a> <a href="https://t.co/5MlGKrUJUU">pic.twitter.com/5MlGKrUJUU</a></p>— Pew Research Center (@pewresearch) <a href="https://twitter.com/pewresearch/status/752628815147339776">July 11, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>As conclusões são do instituto norte-americano de sondagens, o <a href="http://www.pewglobal.org/2016/07/11/europeans-fear-wave-of-refugees-will-mean-more-terrorism-fewer-jobs/"><em>Pew Research Center</em></a>, que realizou inquéritos em 10 países da União Europeia (Hungria, Polónia, Holanda, Alemanha, Itália, Grécia, Suécia, Reino Unido, França, Espanha).</p> <p>A chanceler alemã, Angela Merkel, a face da política europeia de acolhimento dos refugiados, admitiu, esta segunda-feira, que alguns terroristas entraram na Europa com o fluxo de refugiados…</p> <p>Segundo os dados do <em>Pew Research Center</em>, 76 por cento dos húngaros, 71 por cento dos polacos, 61 por cento dos alemães, 52 por cento dos britânicos e 46 por cento dos franceses, receiam que a chegada de refugiados possa propiciar ataques terroristas.</p> <p>A Hungria, um dos países que mais se opõe à política da União Europeia para a distribuição de refugiados, anunciou que vai realizar a 2 de outubro um referendo sobre o plano de relocalização dos migrantes entre os Estados-membros.</p> <p>Desde o outono do ano passado, o Governo de Budapeste mantém as fronteiras com a Sérvia e a Croácia encerradas para evitar a entrada ilegal de migrantes.</p>