Última hora

Em leitura:

Ataques jihadistas em França e na Bélgica: Uma cronologia

mundo

Ataques jihadistas em França e na Bélgica: Uma cronologia

Publicidade

A redação em língua portuguesa da Euronews preparou uma cronologia com os ataques e atentados levados a cabo em solo francês e belga e considerados pelas autoridades como jihadistas ou relacionados com o terrorismo islamita, a grande maioria dos quais foi reivindicada pelos militantes do autoproclamado Estado Islâmico ou Daesh, pela sigla em língua árabe. A cronologia começa em janeiro de 2015, quando a revista satírica Charlie Hebdo, na capital francesa, sofreu um atentado.

2016


26 de julho

Dois homens fazem vários reféns numa igreja francesa, na localidade de Saint-Étienne-du-Rouvray e degolam um padre de 86 anos. As autoridades francesas dizem que os atacantes teriam gritado o nome de Allah durante o ataque. Ambos foram abatidos pela polícia. Os jihadistas do Estado Islâmico ou Daesh reivindicam o atentado. O Vaticano descreve o episódio como uma “matança bárbara.”

14 de julho

Um camião avança sobre uma multidão que assistia aos fogos de artifício durante a comemoração da Tomada da Bastilha na cidade de Nice, na Riviera. Morreram 84 pessoas, entre as quais várias crianças e cidadãos franceses de confissão muçulmana. Morreu também uma cidadã brasileira e um português ficou ferido.

13 de julho

Um agente da polícia e a sua mulher, funcionária numa esquadra, são mortos à facada por um homem que se declara jihadista. O ataque ocorreu em Magnanville, localidade no departamento de Yvelines, região de Paris.

22 de março

Pelo menos 32 pessoas morreram num atentado suicida cometido no aeroporto e no metro de Bruxelas. Os suicidas foram saudados pelos jihadistas do Daesh.

18 de março

Salah Abdeslam é detido no bairro de Molenbeek, região de Bruxelas. Aquele que era então o homem mais procurado em toda a Europa encontrava-se escondido num edifício a apenas umas centenas de metros da casa dos pais.

15 de março

Uma operação policial levada a cabo no sul da cidade de Bruxelas termina com a morte de Mohamed Belkaid, até então desconhecido das autoridades, e com a fuga de dois suspeitos, incluído Salah Abdeslam.

2015


22 de dezembro

Yassin Salhi, autor do atentado de Saint-Quentin-Fallavier, na região de Rhône-Alpes, suicida-se na prisão em Fleury-Mérogis, conhecida prisão na região de Paris.

18 de novembro

O jihadista belga Abdelhamid Abaúd, suspeito de participação nos ataques de 13 de novembro, é morto durante uma rusga da polícia a um apartamento onde se teria escondido, em Saint-Denis, a norte da capital francesa.

14 de novembro

Os jihadistas do autoproclamado Estado Islâmico reivindicam a responsabilidade pelos ataques em Paris.

13 de novembro

Têm lugar em Paris uma série de tiroteios quase simultâneos. Três bombistas suicidas detonam engenhos explosivos às portas do Estádio de França durante um encontro internacional de futebol. Uma pessoa morre perto do estádio. Tiroteios na casa de espetáculos Le Bataclan, no centro de Paris, deixam vários mortos. Morrem 130 pessoas e mais de 350 sofrem ferimentos.

Nove dos atacantes são mortos e sete deles são oficialmente identificados. O único sobrevivmente, Salah Abdeslam, escapa às autoridades.

26 de junho

Yassin Salhi, posteriormente identificado como suspeito de seguir o movimento ultraconservador salafista, um ramo radical do Islão sunita, assasina e degola o seu patrão, Hervé Cornara, na zona industrial de Saint-Quentin-Fallavier, perto de Lyon, na região de Rhône-Alpes.

14 de janeiro

A filial iemenita da al-Qaeda reivindica a responsabilidade pelos ataques contra a revista satírica Charlie Hebdo.

9 de janeiro

O atirador furtivo da cidade de Montrouge, região de Paris, Amediy Coulibaly, é identificado como parte do círculo de Cherif Kouachi.

Os irmãos Kouachi são mortos pelas autoridades quando tentam escapar em Dammartin-en-Goële, localidade a 40 quilómetros de Paris.

Entretanto, as forças de especiais francesas efetuam uma intervenção num supermercado judeu em Vincennes (Paris). Am´€di Coulibaly, jovem de 32 anos, de nacionalidade francesa, faz vários reféns no supermercado e é abatido pelos agentes, depois de matar quatro pessoas.

8 de janeiro

Uma agente da polícia é morta durante um tiroteio em Montrouge, cidade a sul de Paris.

7 de janeiro

Os irmãos Chérif e Said Kouachi, de 32 e 34 anos e ambos franceses, matam 11 pessoas na redação da revista satírica Chalie Hebdo. Durante a fuga, matam um polícia francês de 42 anos de confissão muçulmana e de origem árabe.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte