Última hora

Última hora

Em leitura:

Paavo Järvi, o maestro "sortudo" que dinamiza a Estónia


musica

Paavo Järvi, o maestro "sortudo" que dinamiza a Estónia

Em parceria com

Uma família de maestros – os Järvi – criou um festival de música clássica no seu país natal, a Estónia, que deixou numa altura politicamente conturbada. O encontro tornou-se numa plataforma privilegiada de partilha artística, não só da cultura estoniana mas também doutros países do norte da Europa. O Musica atravessou o mar Báltico para conhecer o Festival de Pärnu.

A música de Sibelius ecoa na costa do Báltico pelo violino de Viktoria Mullova... No verão, Pärnu torna-se na capital cultural da Estónia. É aqui que tem lugar um festival de música criado em 2010 pelo maestro Paavo Järvi e pela sua família. Há muito que esta estância balnear é um ponto de encontro para artistas.

“Eu cresci em Tallin, mas os três meses de verão passava-os sempre em Pärnu. Via muitas vezes o violinista David Oistrakh. Também me cruzava com Shostakovich e outros artistas como Gidon Kremer. As minhas filhas vivem nos Estados Unidos. Não há nada melhor, como estoniano, do que ouvi-las dizer ‘vamos para casa’ quando viajamos para Pärno”, afirma.

Cerca de metade da Estonian Festival Orchestra é composta por músicos estonianos. Um agrupamento de exceção que se prepara para conquistar a Europa. “Dormimos muito pouco, trabalhamos muito e partilhamos a sensação de que alcançámos algo. Há uma adrenalina comum. Todos os verões, sinto-me mais e mais afortunado por trabalhar de perto com alguns dos melhores músicos da atualidade”, diz o maestro.

O Festival de Música de Pärnu divulga obras clássicas de países nórdicos, tal como a Segunda Sinfonia do dinamarquês Carl Nielsen. Ao mesmo tempo, acolhe uma série de masterclasses intitulada “Academia Järvi”, orientada pelos irmãos Paavo e Kristjan, e pelo pai, o celebrado maestro Neeme Järvi.

“Dirigir uma orquestra é uma combinação de várias coisas. Eu dou orientações com os olhos: ‘Façam isto”, ‘agora toquem aquilo’… Tudo com os olhos. Neste momento, estou a comunicar consigo… Está a ver? Porque é que se está a rir? Eu comunico sem falar…”, garante com boa disposição o patriarca.

O encontro tem igualmente como filosofia apresentar trabalhos contemporâneos, como o do compositor estoniano Erkki-Sven Tüür. Segundo Paavo Järvi, “os maestros têm muita sorte no trabalho que fazem. Levantamo-nos de manhã, tomamos o nosso café e depois vamos tocar música dos maiores génios do mundo: Mozart, Mahler, Beethoven… Não é nada mau. Quem é que se pode queixar por dirigir uma sinfonia de Sibelius ou de Mahler? Eu sou um homem cheio de sorte!”.

Escolhas do editor

Artigo seguinte
Aprender com os Järvi

musica

Aprender com os Järvi