Última hora

Sergio Sanchez na convenção republicana: "Todas as primárias nos EUA são um circo"

Stephan Grobe, correspondente da Euronews em Washington DC Estamos na Convenção Republicana aqui em Cleveland, Ohio e tenho comigo Sergio Sanchez, delegado alternativo nacional do grande Estado do…

Em leitura:

Sergio Sanchez na convenção republicana: "Todas as primárias nos EUA são um circo"

Tamanho do texto Aa Aa

Stephan Grobe, correspondente da Euronews em Washington DC

allviews Created with Sketch. Point of view

"Vender Donald Trump é uma venda fácil"

Sergio Sanchez Delegado republicano do Texas
Estamos na Convenção Republicana aqui em Cleveland, Ohio e tenho comigo Sergio Sanchez, delegado alternativo nacional do grande Estado do Texas.
Fale-nos um pouco do ambiente nesta convenção. Para um público europeu, ouvir comentários sobre batatas em Idaho ou uma possível ligação de Hillary Clinton ao diabo é confuso. O que se passa aqui?

Sergio Sanchez, delegado alternativo republicano do Texas
É sempre o circo. Todas as primárias nos Estados Unidos são um circo de parte a parte e há muito colorido na linguagem, nas expressões. É tudo eufemismo, tudo se pode esperar, faz parte do menú.

Stephan Grobe, correspondente da Euronews em Washington DC
O que as pessoas na Europa não estão a ver aqui é a habitual diversidade americana. É ainda um partido predominantemente branco. É do Texas e é latino. A publicação New Yorker fez uma história sobre a complicada tarefa dos republicanos para chegarem à comunidade latina. O que pensa sobre isto? Como pode Trump conquistá-la?

Sergio Sanchez, delegado alternativo republicano do Texas
Bem, posso dizer que nas primárias, com 17 candidatos, a diversidade estava lá, com uma mulher e um afro-americano e hispânicos na lista. E, no fim, foi um outsider que ganhou. Um homem de negócios, um cidadão, alguém que é completamente alheio ao processo poítico. As pessoas de repente votaram nele.
Vi um número recorde de eleitores na minha região, Texas, profundo sul do Texas, na fronteira, houve 3 vezes mais republicanos a votar do que seria normal, olhando para as estatísticas, eu sou a prova disso. Vi imensas pessoas que não votavam há anos, há muitos ciclos eleitorais, e foram votar. Também houve algumas mudanças do voto democrata para o voto republicano.
Para mim, vender Donald Trump é uma venda fácil porque vim para a política, mas eu sou dos media, trabalho nos media há 20 anos no sul do texas, dirijo uma rádio de notícias en portanto conheço o mercado, conheço o meu mercado. Para mim é uma venda fácil porque em 2010 vi a revolução do ““tea party”“:http://veja.abril.com.br/mundo/tea-party-o-novo-protagonista-politico-americano/ onde 65 ou 66 membros do congresso foram excluídos, muitos novos cidadãos entraram. Isto é, acredito eu, uma extensão disso, as pessoas não querem a política costumeira. Para mim é uma venda fácil.

Stephan Grobe, correspondente da Euronews em Washington DC
Antes de Donald Trump poder unir o país, tem de unir o partido. Acha que será bem sucedido nisso?

Sergio Sanchez, delegado alternativo republicano do Texas
Acho que sim, com a nomeação do governador Pence. Foi uma nomeação muito sensata. O Governador Pence é parte da revolução do “tea party”. É alguém que sabe aplicar a legislação e também trabalhar com o outro lado, mas, mais importante, ele representa a base conservadora do partido republicano, une aquela parte do partido que estava insegura quanto a Trump, a base mais conservadora, a base mais “tea party”. O governador Pence consegue agregá-los.

Stephan Grobe, correspondente da Euronews em Washington DC
Há a possibilidade de Trump perder, certo? O que acontece ao partido republicano se ele perder?

Sergio Sanchez, delegado alternativo republicano do Texas
Eu esperaria que outro candidato outsider fosse corajoso o suficiente para concorrer no futuro. Temos um cenário de 16 outros candidatos que concorreram, alguns são muito institucionais. Esperaria que Cruz concorresse de novo. Esperaria que pessoas como o Dr. Carson – que é outro outsider – o fizessem, decidissem concorrer de novo. mas atendendo ao jargão político e à linguagem, não estou focado na derrota neste momento. Estou focado na vitória em novembro e Donald Trump vai ganhar.