Última hora

Última hora

Novo sistema de segurança com base no reconhecimento facial

Em leitura:

Novo sistema de segurança com base no reconhecimento facial

Novo sistema de segurança com base no reconhecimento facial
Tamanho do texto Aa Aa

Uma empresa francesa (Netatmo) concebeu um sistema de videovigilância baseado numa nova tecnologia de reconhecimento facial.

As atuais câmaras de segurança não são muito inteligentes. Indicam-nos se houve movimento mas não sabem se foi um estranho ou se foi o próprio filho. Emitem sempre um alerta mesmo que não seja nada.

O sistema está associado a uma aplicação para smartphone. Em qualquer altura, o proprietário pode visualizar a casa e recebe um alerta, se um estranho entrar na propriedade.

A tecnologia integra uma câmara de infravermelhos ligada à Internet através da rede sem fios do domicílio.

“As atuais câmaras de segurança não são muito inteligentes. Indicam-nos se houve movimento mas não sabem se foi um estranho ou se foi o próprio filho. Emitem sempre um alerta mesmo que não seja nada. A alteração da luminosidade pode também criar problemas. Por isso, desenvolvemos uma tecnologia de reconhecimento facial para que seja possível saber se as crianças regressaram a casa ou se um estranho entrou na propriedade”, disse Janina Mattausch, gestora de marketing da empresa francesa.

Para realizar o perfil de cada pessoa basta introduzir algumas fotografias na aplicação. A partir das informações fornecidas pelo proprietário, o sistema reconhece as pessoas que estão autorizadas a entrar em casa. Em qualquer altura, o utilizador pode alterar os perfis e as autorizações associadas a cada pessoa.

“Temos um algoritmo de reconhecimento facial integrado na câmara que elabora uma representação matemática da cara. Calculamos a distância e as características e construímos uma representação da cara, em termos numéricos e com base em algoritmos”, acrescentou a responsável.

Graças ao reconhecimento facial foi possível identificar um ladrão num apartamento em Paris. Damien decidiu testar a tecnologia quando se apercebeu que lhe roubavam dinheiro em casa. As imagens foram enviadas à polícia e o suspeito foi detido e condenado a nove meses de prisão.

“Estava no trabalho quando o telefone começou a tocar. No início pensei que fosse um falso alerta mas recebi uma notificação. Andava alguém na minha casa e a cara da pessoa não era conhecida. No modo vídeo é possível ver as imagens em direto”, disse Damien.

Além da segurança dos bens, o sistema pode ajudar os pais a tomar conta das crianças.

“Se houver um estranho em casa, a pessoa recebe um alerta e por isso não precisa de estar sempre preocupada em saber o que está a acontecer em casa ou com as crianças. Em caso de problema, há um alerta”, afirmou Janina Mattausch.

As chamadas casas inteligentes fazem parte de uma nova tendência conhecida como a Internet das coisas.

De acordo com a empresa norte-americana de estudos de mercado Gartner, em 2016, o número de aparelhos ligados à Internet e capazes de interagir com o utilizador deverá chegar as 6,4 mil milhões de unidades, um aumento de 30 % em relação ao ano anterior.

Mais sobre hi-tech