This content is not available in your region

O limbo que o Brasil não leva na desportiva

Access to the comments Comentários
De  Euronews
O limbo que o Brasil não leva na desportiva

<p><strong>A chegada da tocha olímpica ao Rio de Janeiro não parece ter aquecido assim tantos ânimos.</strong></p> <p>O mundo olha para este país, mas não pelas razões que muitos habitantes pretendem. Os <a href="http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/temer-e-intruso-na-abertura-da-olimpiada-diz-dilma-a-jornal">Jogos Olímpicos</a> surgem numa espiral de recessão económica, de turbulência política, de corrupção sistémica. Tudo isto tem levado os brasileiros às ruas.</p> <p>A presidente do Brasil já não o é, pelo menos por agora, tendo sido afastada no âmbito de um <a href="http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/economia/20160803/brasil-avanca-para-horas-historicas-com-impeachment-olimpiadas/399583">agitado processo de destituição</a> que projetou o vice-presidente Michel Temer para a chefia interina do Estado.</p> <p>Dilma Rousseff é acusada de maquilhar as contas públicas, à revelia do Congresso, para esconder a situação do país. Mas a histórica trabalhista contrapõe com o facto de outros presidentes terem também agilizado certos procedimentos e denuncia uma conspiração dos conservadores para a derrubar do poder.</p> <p>E, depois, há a questão Petrobras e a operação Lava Jato, que investiga o alegado suborno de políticos de vários partidos, <a href="https://www.publico.pt/mundo/noticia/policia-federal-faz-operacao-em-casa-de-lula-da-silva-1725195?page=1#/follow">entre os quais Lula da Silva</a>, e a atribuição de contratos da companhia estatal a grandes construtoras.</p> <p>Os Jogos Olímpicos vieram pôr alguma água na fervura? Na primeira metade de 2016, a violência subiu exponencialmente, embaraçando as autoridades que fizeram da segurança a questão prioritária na reorganização do Rio de Janeiro.</p> <p>Segundo Ignacio Cano, sociólogo, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, <em>“2013 e 2014 foram anos negativos, as taxas de criminalidade voltaram a subir. 2015 foi um ano moderadamente positivo, de pequena contenção. 2016 tem sido muito negativo, com um aumento dramático dos homicídios, roubos e outros crimes.”</em></p> <p>Temer herda neste momento uma economia que conhece a mais grave recessão desde há 25 anos. As previsões do <span class="caps">FMI</span> para 2017 apontam para um prolongamento deste cenário negativo.</p> <p>Poucos acreditam que os Jogos Olímpicos <a href="http://novojornal.jor.br/esportes/recessao-deve-ofuscar-beneficios-da-olimpiada">irão estimular a economia</a>, até porque o exemplo do Mundial de 2014 não foi esse. Registou-se algum incremento durante o evento, mas o último trimestre foi de contração acentuada.</p> <p>Para que a maior economia da América Latina possa começar a sair do limbo e iniciar reformas, a estabilidade política é crucial. Caso contrário, as expetativas continuarão a ser tão frágeis como castelos na areia.</p>