Última hora

Em leitura:

Batalha dos céus entre Airbus e Boeing com desaceleração nas vendas

empresas

Batalha dos céus entre Airbus e Boeing com desaceleração nas vendas

Publicidade

Com Marco Lemos e Reuters

A batalha dos céus entre os dois grandes construtores mundiais continua, apesar de uma desaceleração nas vendas durante o primero semestre do ano na ordem dos 17%, quando comparado com período homólogo.

Apesar da contração das vendas, tanto a Airbus como a Boeing tiveram a oportunidade de realizar novos acordos de vendas com companhias de mercados cuja evolução em termos das relações internacionais permitiram que estes passassem a constituir novas oportunidades para ambas empresas.

A europeia Airbus afirma ter vendido 373 aeronaves durante os primeiros seis meses de 2016, ajustando posteriormente o valor para 323, tendo em conta os cancelamentos.

Os norte-americanos da Boeing anunciaram, para o mesmo período, a venda de 383 aparelhos, número revisto para 333, depois dos cancelamentos.

A Airbus aproxima-se assim da Boeing. Ainda que os Europeus tenham, no ano passado, vendido mais aparelhos, a Boeing superou as entregas.

O que explica a contração do mercado?

Apesar do dinamismo em termos de concorrência, a redução total do número de vendas durante os primeiros seis meses do ano deve-se a diferentes fatores.

James Bevan, James Bevan, gestor de investimentos na CCLA Investment, explicou à agência Reuters que ambas as empresas enfrentam “dois tipos de desafios”:

“Em primeiro lugar, há uma diminuição do número de companhias aéreas que desejam ter frotas apenas pelo orgulho nacional e isso deve-se ao abrandamento da economia global.”

“Em segundo lugar, há cada vez mais companhias a praticar code-sharing e outro tipo de alianças para determinadas rotas, como demonstra a cooperação entre a Qantas e a Emirates.”

Mas outros motivos, como o aumento do preço do combustíve*l, a *redução do número de reservas nos voos de longo curso por causa dos atentados na Europa e a saturação do mercado, com novos modelos de outros construtores, explicam também a contração das vendas durante o período considerado.


A Airbus terminou 2015 com 57% das vendas totais, ainda que a Boeing tenha entregue mais aparelhos, ou seja, 762, mais 127 do que a Airbus.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte