Última hora

Rio2016: Vila Autódromo resistiu às olimpíadas

Vinte famílias da Vila Autódromo, no Rio de Janeiro, que fica próxima do Parque Olímpico, receberam as chaves das novas casas, a tempo para poderem ver os Jogos…

Em leitura:

Rio2016: Vila Autódromo resistiu às olimpíadas

Tamanho do texto Aa Aa

Vinte famílias da Vila Autódromo, no Rio de Janeiro, que fica próxima do Parque Olímpico, receberam as chaves das novas casas, a tempo para poderem ver os Jogos Olímpicos.

Estas pessoas são o sinal da resistência de quem se recusou a sair das suas casas após a autarquia ter, em 2013, anunciado que as 600 famílias teriam de mudar-se para dar lugar às infraestruturas que iriam servir as Olimpíadas.

“Estamos aqui hoje com menos de 10 por cento da comunidade. É uma mudança drástica”, afirma Luiz da Silva.

Luiz é, a par da esposa, Maria da Penha, a face da resistência.

O casal recusou as duas opções da autarquia do Rio: a indemnização ou uma casa no condomínio do programa “Morar Carioca”, a dois quilómetros da Vila Autódromo.

Luiz gostaria que os atletas conhecessem a situação.

Luiz conta que os moradores sofreram muitas pressões por parte das autoridades para saírem. “Nós fomos espancados e agredidos aqui. Muitos atletas, eu tenho a certeza de que não gostariam de cunhar a medalha no peito com o sofrimento de tantas famílias. Estamos vendo se conseguimos mobilizar alguns atletas”, diz.

Vila Autódromo não foi a única comunidade a ser alvo de desapropriações, na cidade.

De acordo com um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro,
entre 2009 e 2015, mais de 90 mil pessoas tiveram de abandonar as suas casas devido às recentes intervenções urbanísticas da autarquia.