This content is not available in your region

Índia: Ativista termina greve de fome de 16 anos

Access to the comments Comentários
De  Miguel Roque Dias  com Reuters; EFE
Índia: Ativista termina greve de fome de 16 anos

<p>Irom Sharmila termina a greve de fome de 16 anos.</p> <p>A ativista indiana colocou fim ao protesto iniciado em 2000 contra uma lei que permite ao exército atuar à margem do sistema judicial na região nordeste da Índia</p> <p>Sharmila era alimentada à força, por uma sonda nasal, no hospital-prisão Jawaharlal Nehru, em Imphal, capital do estado de Manipur. A ativista decidiu candidatar-se, como independente, às eleições de 2017.</p> <p>“Sou personificação real da revolução, e eu quero ser a Ministra Chefe de Manipur. A coisa mais importante a fazer será a revogação desta lei draconiana”, informa Sharmila.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr">India: End of <a href="https://twitter.com/hashtag/IromSharmila?src=hash">#IromSharmila</a>’s hunger strike an opportunity to repeal <span class="caps">AFSPA</span> <a href="https://t.co/cCSWuyY9rc">https://t.co/cCSWuyY9rc</a> <a href="https://twitter.com/AIIndia"><code>aiindia</a> <a href="https://t.co/VHW4yGsH5E">pic.twitter.com/VHW4yGsH5E</a></p>&mdash; AmnestyInternational (</code>AmnestyOnline) <a href="https://twitter.com/AmnestyOnline/status/762976611486564352">August 9, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>A “Dama de Ferro de Manipur”, como é apelidada, iniciou a greve de fome em 2000 depois de dez pessoas terem sido assassinadas, pelo exército, na povoação de Malom.</p> <p>Irom Sharmila tem sido mantida sob custódia policial, por tentativa de suicídio, considerado crime na Índia.</p> <p>Sharmila informou que foi libertada sob caução, após um acordo escrito.</p>