Última hora

Em leitura:

Mercado de Transferências: Slimani, Markovic, Rafa Silva, Willy Boly e muito mais

Desporto

Mercado de Transferências: Slimani, Markovic, Rafa Silva, Willy Boly e muito mais

Publicidade

O Sporting, com 12 contratações para a equipa principal, foi o clube mais ativo no mercado futebolístico de verão, marcada pela ‘loucura’ da Liga inglesa de futebol. onde pela primeira vez se gastou mais de mil milhões de libras (mais de 1100 milhões de euros, ao câmbio atual).

O presidente Bruno de Carvalho conseguiu neste defeso as duas maiores vendas da história do Sporting, com as saídas de João Mário e Slimani, por 40 e 30 milhões de euros, para o Inter Milão e para o Leicester, respetivamente, sendo que ambas podem render ainda mais cinco milhões cada mediante certos objetivos definidos em segredo.


Mantendo grande parte do plantel que Jorge Jesus levou ao segundo lugar na última temporada, os ‘leões’ reforçaram-se com alguns jogadores de ‘peso’, como o holandês Bas Dost, provável substituto de Slimani e que foi o mais caro de sempre do clube — 10 milhões de euros.

Além do ex-jogador do Wolfsburgo, o Sporting contratou ainda o guarda-redes Beto, o defesa Douglas, os médios Petrovic e Meli, os avançados Campbell, André, Spalvis, Castaignos e Alan Ruiz.


No último dia do mercado, os ‘leões’ ainda conseguiram fazer regressar a Portugal o médio Elias, que já tinha estado em Alvalade, e o extremo Markovic, ex-Benfica, por empréstimo do Liverpool.

Na Luz, o mercado começou ainda do final da temporada passada, quando os tricampeões nacionais garantiram as contratações de Cervi e de Carrillo, que foi transferido a custo zero do Sporting.

Para o último dia do mercado ficou reservada a mais sonante e cara transferência do Benfica esta temporada, com a chegada de Rafa Silva, com o Benfica a pagar 16 milhões pelo campeão europeu ao Sporting de Braga, após um complicado ‘namoro’.


Pelo meio, os ‘encarnados’, que encheram os cofres com as partidas de Nico Gaitán e Renato Sanches, contrataram os médios Kalaica, Celis, Danilo, Zivkovic e André Horta.

No FC Porto, o setor mais reforçado foi o da defesa, com as entradas do lateral Alex Teles e dos centrais Felipe e Boly, este contratado ao Sporting de Braga nas horas finais do mercado, acabando por ceder Martins Indi e Reyes.

Os ‘dragões’ conseguiram ainda o empréstimo de Óliver e Diogo Jota, que estavam no Atlético de Madrid, contrataram João Carlos Teixeira e Depoitre, além de terem feito regressar Adrián López e Otávio, que tem sido titular.


Das saídas do Estádio do Dragão destacam-se a do ‘eterno’ guarda-redes Helton e do avançado Aboubakar, com Brahimi a manter-se depois de ter deixado de ser opção no início da época para Nuno Espírito Santo, o único treinador novo nos ‘três grandes’.

Paul Pogba é o novo “rei” das transferências


Internacionalmente, Inglaterra, onde se gastaram 1,38 mil milhões de euros, foi o país mais ativo, com 13 dos 20 clubes a baterem os seus recordes de transferência mais cara, com destaque para o Manchester United, de José Mourinho, que comprou o francês Paul Pogba por mais de 100 milhões de euros à Juventus.


Os ‘red devils’, que contrataram Ibrahimovic a custo zero, desembolsaram ainda 42 milhões de euros para o Borussia Dortmund pelo arménio Mkhitaryan.

Inglaterra tem mesmo sete das 10 mais caras ‘compras’ deste mercado, com o Manchester City, agora treinado por Guardiola e que pagou 55,6 milhões de euros por John Stones e 50 por Leroy Sané.

A segunda maior transferência do defeso acabou por ser a do argentino Gonzalo Higuaín, por quem a Juventus pagou 90 milhões de euros ao Nápoles.


Atrás do argentino ficou o brasileiro Hulk, ex-FC Porto, que se mudou do Zenit para os chineses do Shangai SIPG por 55,8 milhões de euros.

O último dia do trouxe algumas surpresas, como o regresso do brasileiro Davi Luiz ao Chelsea, que pagou cerca de 40 milhões de euros para o ‘resgatar’ ao Paris Saint-Germain.


O francês Sissoko esteve para assinar pelo Everton, mas acabou por não ‘aterrar’ em Liverpool, mas sim em Londres, onde chegou a acordo com o Tottenham, que pagou 35,3 milhões ao Newcastle.

Artigo seguinte