Última hora

Em leitura:

Yuja Wang: O mundo do piano nunca viu nada assim

musica

Yuja Wang: O mundo do piano nunca viu nada assim

In partnership with

Em parceria com:

É uma espécie de estrela rock do piano. Nasceu em Pequim e trouxe milhões de jovens chineses para o mundo de Rachmaninoff e Prokofiev. Yuja Wang foi convidada para uma residência artística juntamente com o incomparável grupo percussionista de Martin Grubinger. O resultado foi um concerto estrondoso.*

Uma pianista de exceção, um imparável grupo de percussionistas e um ícone arquitetónico de Pequim – tudo isto junto em sintonia para ecoar clássicos do início do século 20.

A primeira residência de Yuja Wang no Centro Nacional de Artes Performativas em Pequim, cidade onde nasceu, inclui uma série de concertos. No primeiro deles, o desempenho desta prodigiosa artista foi sublinhado pelo dinamismo de Martin Grubinger e pelo seu conjunto de percussionistas.

“Este arranjo que fizemos da Sonata para Dois Pianos e Percussão de Bartók vai tornar-se histórico, acho, porque eles transformaram o segundo piano em duas marimbas. E tocar marimbas àquela velocidade… O teclado é muito maior. É algo que exige vários ensaios e reflexos muito rápidos”, diz-nos Yuja.

Para além de Bartók e Stravinsky, o público chinês teve oportunidade de descobrir o compositor contemporâneo neozelandês John Psathas. A pianista revela-nos que gosta de “tocar com cantores e com cordas, mas com os percussionistas a linguagem é completamente diferente. Eles pensam a música de uma forma muito direta, muito cerrada. De certo modo, vejo a música da mesma maneira, mas tenho de sair da minha zona de conforto para alcançar esse patamar. É muito bom. E eles são muito potentes…”.

Yuja Wang aproveitou a passagem pela capital chinesa para visitar o bairro 798, que alberga várias galerias de arte e onde pôde ver a exposição do americano Robert Rauschenberg. “Adoro a arte contemporânea porque consigo incorporar ideias na forma como olho para a música contemporânea. Está tudo ligado, vem tudo do mesmo sítio, das profundezas da alma, do coração, do intelecto… Sei lá, eu só toco piano”, graceja.

A espontaneidade e originalidade valem-lhe uma legião de jovens fãs, sobretudo na China. A sua explicação é a seguinte: “Há muitas miúdas que vêm ter comigo. Acho que apreciam os meus gostos em termos de moda, mas também gostam do facto de eu ser ousada, confiante, um pouco atrevida até…”.

——————————————————————————————

Yuja e Martin vão voltar a atuar juntos, no âmbito da digressão “Martin Grubinger meets Yuja Wang”, de 13 a 27 de dezembro em Viena, Munique, Zurique e Telavive.

O Musica agradece ao Centro Ullens de Arte Contemporânea e à Fundação Robert Rauschenberg a colaboração proporcionada durante as filmagens.

Artigo seguinte

musica