Última hora

Turquia: Revolta após afastamento administrativo de autarcas eleitos

A polícia dispersou, à força de canhões de água, manifestantes que protestavam contra o afastamento de autarcas eleitos, substituídos por edis nomeados

Em leitura:

Turquia: Revolta após afastamento administrativo de autarcas eleitos

Tamanho do texto Aa Aa

Foi à força que as autoridades turcas dispersaram os manifestantes que, em Diyarbakir, protestavam contra o afastamento de 28 autarcas, alegadamente por ligações a militantes curdos.

Ancara nomeou novos presidentes de câmara, depois de ter afastado os que tinham sido eleitos.

Uma manobra do poder central que provocou protestos, sobretudo na região – instável – do sudeste, perto da fronteira com a Síria e o Iraque.

Na província de Hakkari, a polícia retirou mesmo a bandeira do governo local substituindo-a pela bandeira nacional.

“Aceitar isto?! É impossível aceitar isto! Rejeitamos esta nomeação. Os autarcas do povo estão aqui. Não é possível que sejam outras pessoas a ser designadas, com uma assinatura, presidentes de câmara. Condenamos esta nomeação”, afirmou veementemente Nihat Akdogan, advogado do HDP.

Os 28 municípios em causa estavam nas mãos do Partido Democrático do Povo. O HDP, na oposição, é a terceira força parlamentar. Embora pró-curdo, recusa qualquer ligação a “militantes” e classifica o afastamento dos autarcas de “golpe administrativo”.

Esta semana, o presidente Recep Tayyip Erdogan afirmara que a luta de Ancara contra o PKK estava mais intensa do que nunca – e o afastamento de funcionários públicos é uma das suas vertentes.