This content is not available in your region

Europa investe mais no Egito

Access to the comments Comentários
De  Euronews
Europa investe mais no Egito

<p><strong>Reportagem de Mohammed Shaikhibrahim, no Cairo</strong></p> <p>O investimento europeu no país mais povoado do mundo árabe e o empréstimo contraído pelo Egito junto do <span class="caps">FMI</span> são alguns dos temas discutidos na <a href="http://www.euromoneyconferences.com/egypt.html">conferência Euromoney</a> que abriu esta segunda-feira no Cairo.</p> <p>A ministra egípcia para a Cooperação, Sahar Nasr, comentou a notícia do <a href="http://english.ahram.org.eg/NewsContent/3/12/243845/Business/Economy/Egypt-to-sign-%E2%82%AC-mln-agreement-with-EIB-in-October-.aspx">acordo com o Banco Europeu de Investimento</a>, que prevê uma ajuda de cerca de 500 milhões de euros às pequenas e médias empresas: “Conseguimos duplicar o montante que recebemos do Banco Europeu de Investimento, destinado ao setor privado. Queremos desenvolver o setor privado no Egito através da cooperação com as instituições internacionais, com financiamentos a longo prazo”, disse. </p> <p>Amr Almuniry, conselheiro do Ministério das Finanças, acrescenta, a propósito dos planos de reforma da economia egípcia: “O nosso plano inclui uma reforma detalhada aos níveis económico, financeiro e fiscal. É um plano feito em cooperação com as instituições internacionais e que tem o apoio delas”.</p> <p>A revista de investimento Euromoney organiza conferências sobre o tema do investimento em mais de 60 países. Depois do Egito, será a vez do Kuwait.</p> <p>Para Alex Cobos, da Euromoney Learning solutions, o Egito precisa de encontrar novos investidores: “O governo quer relançar a atividade, a economia do país, mas continua a precisar do apoio de outras regiões”.</p> <p>“Para os investidores árabes e estrangeiros, esta conferência representa uma oportunidade de analisar o programa de reformas do governo e perceber se existe, ou não, uma estrutura atrativa <br /> para o investimento, tendo em conta os desafios atuais, tanto em termos sociais, como em termos de segurança”, remata o correspondente da euronews no Cairo, Mohammed Shaikhibrahim.</p>