Última hora

Em leitura:

Roma recua na intenção de organizar Jogos Olímpicos de 2024

Desporto

Roma recua na intenção de organizar Jogos Olímpicos de 2024

Publicidade

A cidade de Roma irá retirar a sua candidatura à organização dos Jogos Olímpicos de 2024. O processo ainda não está concluído mas não apanha ninguém de surpresa.

A nova presidente da câmara Virginia Raggi já tinha dado a entender isso mesmo em entrevista à euronews:

“Mais que uma questão de desporto, os Jogos Olímpicos são uma questão de infraestruturas, de construção. Sempre foi assim nas grandes competições e não apenas em Itália. Os dados económicos ao longo da história são claros, as cidades organizadoras contraíram uma enorme dívida. Em Montreal, relativamente à previsão do orçamento inicial os custos cresceram 796%.

Os custos são estes, a informação é esta. Eu diria que Roma, com uma dívida de 13 mil milhões de euros, não pode aumentá-la ainda mais, não pode construir uma catedral no deserto.

Se for para falar de desporto, sou a favor mas temos de começar por falar nas infraestruturas da cidade. Roma tem mais de 160 a cair aos bocados e nunca ninguém se preocupou em recuperá-las ou renová-las. Se for para falar de desporto, estamos aqui o dia todo.”

A marcha atrás de Roma está dependente de aprovação do Conselho Municipal mas não será a primeira. Hamburgo, na Alemanha, também chegou a apresentar a sua candidatura mas tudo caiu por terra depois da população local ter chumbado o projeto num referendo.

Quer isto dizer que sobram apenas três candidatas à organização dos Jogos Olímpicos dentro de oito anos. Los Angeles, tida como a principal favorita e que já acolheu a maior competição do desporto mundial em 1932 e 1984.

A maior adversária da candidatura norte-americana parece ser Paris. A capital francesa já tentou organizar, sem sucesso, os Jogos de 1992, 2008 e 2012 mas continua a sonhar com os terceiros Jogos Olímpicos na cidade, cem anos depois da última vez.

Resta Budapeste, a única das candidatas que nunca recebeu os Jogos Olímpicos. O sonho continua vivo na Hungria, pelo menos até 13 de setembro do próximo ano, data em que será anunciada a candidatura vencedora.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte