This content is not available in your region

Ajuda humanitária regressa à Síria

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
Ajuda humanitária regressa à Síria

<p>Depois de uma pausa de 48 horas, a ajuda humanitária das Nações Unidas voltou a chegar às zonas cercadas da Síria. Uma coluna da <span class="caps">ONU</span> chegou a uma zona dos arredores de Damasco ocupada pelos rebeldes, ao mesmo tempo que a ajuda dos russos chega a Homs.</p> <p>A pausa na ajuda humanitária foi causada pelo <a href="http://pt.euronews.com/2016/09/21/eua-apontam-o-dedo-a-russia">ataque a uma coluna, na segunda feira</a>, que terá morto pelo menos vinte civis.</p> <p>“A situação de segurança na Síria não é só uma, é toda uma manta de retalhos, feita de vários níveis de segurança e insegurança. Tem todo um conjunto de atores e grupos armados e temos de levar isso em conta, quando analisamos a situação caso a caso. É o que fazemos quando mandamos ajuda para as zonas rurais à volta de Damasco como estamos a fazer agora ou quando voltarmos a entregar ajuda em Alepo, o que espero possa acontecer muito em breve”, diz Jens Laerke, porta-voz do gabinete da <span class="caps">ONU</span> para os assuntos humanitários.</p> <p>A Rússia e os Estados Unidos atiram-se mutuamente as culpas pelo ataque de segunda-feira. Washington e a <span class="caps">ONU</span> dizem que se tratou de um ataque aéreo, provavelmente da Rússia ou da aviação síria. A Rússia diz que não tem responsabilidades e que este foi um ataque terrestre. Falou também da presença de um drone americano na zona.</p> <p>Depois de um encontro com o <span class="caps">MNE</span> russo Serguei Lavrov, o secretário de Estado norte-americano John Kerry diz que tem esperança que no salvamento do cessar-fogo assinado na semana passada. Cessar-fogo mais uma vez posto em causa com novos ataques em Alepo. Vídeos divulgados pelas organizações rebeldes mostram os momentos que se seguiram ao bombardeamento de várias zonas da cidade. O observatório sírio dos direitos humanos, associação contra o regime de Assad sediada em Londres, diz que estes últimos ataques fizeram pelo menos 52 mortos.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="en"><p lang="en" dir="ltr"><span class="caps">ARTICLE</span>: The Living Dead: Another Syria ceasefire agreement has failed <br /> -By <a href="https://twitter.com/MJ_Cruickshank"><code>MJ_Cruickshank</a> <a href="https://t.co/3SB5ecKYM3">https://t.co/3SB5ecKYM3</a><a href="https://t.co/M8KznQ6szJ">pic.twitter.com/M8KznQ6szJ</a></p>&mdash; Conflict News (</code>Conflicts) <a href="https://twitter.com/Conflicts/status/778963974146719744">September 22, 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Em Homs, cerca de 300 combatentes rebeldes e respetivas famílias, um total de cerca de mil pessoas, começaram a ser transportados para outra zona, depois de um acordo com a Rússia e o governo sírio. Estes acordos estão a permitir a evacuação de várias zonas também na província de Idlib.</p>