Última hora

Última hora

Recolher obrigatório levantado em Charlotte

As manifestações repetiram-se, mas desta vez foram mais pacíficas e sem incidentes.

Em leitura:

Recolher obrigatório levantado em Charlotte

Tamanho do texto Aa Aa

As autoridades de Charlotte, na Carolina do Norte, levantaram o recolher obrigatório que tinha sido imposto no início das manifestações pela morte de um homem às mãos da polícia.

Point of view

"Estamos aqui por causa da quebra na confiança entre a polícia e a comunidade. Queremos que a polícia aja connosco da mesma forma que com todos os outros cidadãos"

Lorenzo Mack Manifestante

Na noite de domingo para segunda, as manifestações repetiram-se, mas desta vez foram mais pacíficas e sem incidentes. São protestos movidos sobretudo pela comunidade negra à qual pertencia a vítima, Keith Scott, de 43 anos. É um de muitos casos semelhantes ocorridos nos últimos tempos nos EUA.

‘Estamos aqui por causa da quebra na confiança entre a polícia e a comunidade. O que queremos é que a polícia aja connosco da mesma forma que com todos os outros cidadãos’, diz Lorenzo Mack, participante no protesto. ‘Estou aqui em apoio à Black Lives Matter. Queremos o vídeo completo, exigimos que a polícia o divulgue’, diz Belle Soney, outra manifestante.

A polícia divulgou um vídeo que mostra o momento do tiroteio. Não é percetível se Scott estava, ou não, armado. A polícia mantém a versão de que estaria armado e divulgou a imagem de uma pistola encontrada no local do crime e de um coldre que Scott teria no tornozelo. Alega que Scott estava a enrolar um “charro” quando foi abordado pela polícia.

Scott foi um dos 214 negros mortos pela polícia norte-americana este ano, o que tem provocado a indignação da comunidade, neste e outros casos. No entanto, segundo a associação Mapping Police Violence, os negros representam apenas cerca de um quarto das vítimas mortais da violência da polícia nos Estados Unidos, este ano – um total de 821. O polícia autor do disparo fatal é igualmente negro – O que dificulta a tese do crime racista.