Última hora

Última hora

Rosetta: "Perdemos um membro da família mas vamos poder decifrar os mistérios do sistema solar"

Em Darmstadt na Alemanha, a equipa da missão da Rosetta confessa um “sentimento agridoce”, após a colisão controlada da sonda sobre o cometa 67P.

Em leitura:

Rosetta: "Perdemos um membro da família mas vamos poder decifrar os mistérios do sistema solar"

Tamanho do texto Aa Aa

Em Darmstadt na Alemanha, a equipa da missão da Rosetta confessa um “sentimento agridoce”, após a colisão controlada da sonda sobre o cometa 67P.

A equipa de cientistas afirma que, graças à missão, tem agora todas as peças para resolver os mistérios do sistema solar.

Matt Taylor, Cientista do projeto Rosetta:

“Hoje perdemos um membro da família mas sabemos que temos todas as peças do ‘puzzle’ para avançar e tentar solucionar os mistérios do sistema solar. É uma investigação científica que vai continuar.

O responsável das imagens enviadas pela sonda explica o próximo passo, após a receção dos dados dos últimos minutos de vida da Rosetta.

Mohamed Ramy El-Maarry, cientista da câmara OSIRIS, Universidade de Berna:

“Primeiro precisamos de assegurar-nos que estas imagens têm a melhor qualidade possível. Vamos ser capazes depois de analisar estas imagens, compará-las com aquelas da câmara do Philae. O terreno é semelhante mas noutra localização. Vamos poder ver assim se o cometa é homogéneo”.

O antigo diretor científico da ESA, Roger-Maurice Bonnet, explica a origem e objetivos da missão:

“Esta missão iniciou-se com um apelo à comunidade científica para ideias em 1983. Em 1984 surgiu um primeiro projeto sobre ‘recolha de amostras de um núcleo’ que tinha por objetivo um asteróide, mais do que um cometa. Demorámos 10 anos a preparar a missão. Ao início as pessoas não estavam muito entusiasmadas. Viam um cometa como um resíduo. Mas vendo tudo o que aprendemos valeu a pena o esforço e o sonho”.

O responsável pelo módulo de exploração Philae, Koen Geurts, comenta também a experiência.

“É estranho, a última aterragem que realizei foi há dois anos quando o Philae aterrou no cometa, muita emoção e sentimentos positivos. Toda a gente está contente com o sucesso mas também triste com o fim da missão. Depois do diálogo e a interação diária com os colegas. É um dia estranho”.