Última hora

Em leitura:

Colômbia: Campo do NÃO exige renegociação de acordo de paz


Colômbia

Colômbia: Campo do NÃO exige renegociação de acordo de paz

O NÃO da Colômbia ao acordo de paz com as FARC não põe fim ao diálogo com a guerrilha, segundo o presidente Juan Manuel Santos.

Tanto o governo como os combatentes renovaram o compromisso com as negociações, depois do atual entendimento ter sido rejeitado em referendo com 50,21% dos votos.

O ex-chefe de Estado Álvaro Uribe, que fez campanha pelo NÃO, exige uma renegociação do acordo e afirma,

“Todos queremos a paz, ninguém quer a violência. Pedimos que não haja violência, que se dê proteção às FARC e que cessem todos os delitos, incluíndo o tráfico de droga e a extorsão”.

O campo do SIM ao acordo, que prevê o desarmamento da guerrilha, uma amnistia limitada e o acesso das FARC ao parlamento, recolheu 49,78% dos votos.

Um militante da campanha do SIM afirma:

“Este resultado mostra que 50% das pessoas que foram votar deixaram-se convencer por uma mensagem de ódio, uma mensagem de vingança, uma mensagem que nos mantém no passado”.

Entre os partidários do SIM ao acordo, vários sublinham que este é irreversível, uma vez que as FARC assumiram a vontade de tornar-se um partido político.

O resultado do referendo é vinculante para o presidente, depois de se ter comprometido a respeitá-lo, mas não para o governo, como sublinham alguns constitucionalistas.

Desde o início das negociações que a Colômbia regista uma diminuição abrupta da violência, com mais de 1.250 dias sem ataques das FARC, sequestros ou atentados contra infraestruturas do Estado.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte

mundo

Cuba, Haiti e Jamaica ameaçadas pelo pior furacão das últimas décadas