Última hora

Em leitura:

Hungria: Bruxelas diz respeitar vontade de quem votou e de quem não votou


mundo

Hungria: Bruxelas diz respeitar vontade de quem votou e de quem não votou

ALL VIEWS

Clique para descobrir

Bruxelas já reagiu ao resultado do referendo húngaro. O braço-de-ferro iniciado por Viktor Orban, contra a comissão europeia e as regras comunitárias sobre a partilha de refugiados, acabou por sagra-se num “resultado inválido” – devido à fraca participação – o que não parece desmotivar o primeiro-ministro húngaro.

De Bruxelas vem, contudo, o aviso, pela boca do porta-voz, Margaritis Schinas: “Respeitamos a vontade democrática do povo húngaro: tanto a de quem votou como a de quem não votou. Acreditamos que cabe ao governo húngaro decidir como lidar com o resultado do referendo.”

Com 3,2 milhões de húngaros (num eleitorado de 8,3 milhões) a expressarem-se contra a relocalização de refugiados, Viktor Orban sai, contudo, reforçado, segundo alguns analistas, e vai continuar a surfar a onda da imigração.

Um “jogo perigoso”, afirmou no próprio domingo o presidente do Parlamento Europeu.

Martin Schulz explicou: “A Hungria só vai acolher, segundo as quotas de refugiados, cerca de 2000. Organizar um referendo sobre isso é um jogo perigoso”.

ALL VIEWS

Clique para descobrir

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

Artigo seguinte

mundo

Brexit: Hammond alerta para "turbulências" na economia britânica