Última hora

Em leitura:

Islamistas moderados vencem eleições em Marrocos


Marrocos

Islamistas moderados vencem eleições em Marrocos

Em Marrocos, o Partido da Justiça e Desenvolvimento (PJD) venceu as eleições legislativas desta sexta-feira e deve continuar a liderar a coligação que governa o país. Os islamistas moderados do PJD conseguiram então garantir 125 lugares no Parlamento, os liberais do Partido da Autenticidade e Modernidade (PAM) ficaram com 102.

O Partido da Independência foi o terceiro mais votado com 31 deputados eleitos. O PJD vai agora procurar entendimentos para formar Governo. Mas é ao rei Mohammed VI que cabe escolher o primeiro-ministro, que deve vir do partido mais votado.

Nas ruas de Rabat sente-se o descontentamento com a classe política mas há todo o tipo de opiniões. Khalid Lamlagh é guia turistico e garante que “não existe melhor alternativa. Por isso o povo deve confiar neles outra vez. E esperamos que façam melhor que nos últimos cinco anos”.Já Fadija Monem, professora primária, tem uma opinião mais crítica: “tudo o que fizerem foi tirar dinheiro dos bolsos dos marroquinos porque tudo se tornou mais caro. Não podemos viver assim. Antes não era assim”, sublinha Fadija.

Os islamistas moderados só devem conseguir garantir apoio junto das formações mais pequenas, uma vez queo partido que ficou em terceiro lugar já fez parte de uma coligação mas retirou o apoio e o PAM vai continuar a fazer oposição.

Otman Magraoui, um jovem estudante de Direito, explica que “provavelmente os seis partidos vão ter de formar uma coligação. Talvez tenhamos novas eleições dentro de um mês”.

305 lugares no parlamento vão ser ocupados pelos deputados nestas eleições a que se juntam outros 90, reservados a mulheres e jovens. A participação neste escrutínio não passou dos 43%

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte

mundo

Rússia nega ciberataques para influenciar presidenciais nos EUA