Última hora

Última hora

Moscovo e Damasco anunciam trégua humanitária para Aleppo

As forças russas e sírias vão suspender na quinta-feira durante um período de oito horas os bombardeamentos sobre a cidade síria de Aleppo, devastada por violentos…

Em leitura:

Moscovo e Damasco anunciam trégua humanitária para Aleppo

Tamanho do texto Aa Aa

As forças russas e sírias vão suspender na quinta-feira durante um período de oito horas os bombardeamentos sobre a cidade síria de Aleppo, devastada por violentos combates.

“Uma pausa humanitária entrará em vigor a 20 de outubro em Aleppo entre as 08:00 e as 16:00” locais, segundo declarações do general Serguei Roudskoi, do Estado-maior russo, durante uma conferência de imprensa em Moscovo.

Moscovo e Damasco tomaram esta decisão “para permitir que os civis deixem a cidade livremente, para retirar doentes e feridos e para assegurar a retirada de rebeldes armados”.

Em reação, a chefe da diplomacia europeia, a italiana Federica Mogherini, qualificou esta decisão como “um passo positivo”.

“Pode ser um começo. É com certeza um passo positivo”, referiu a Alta Representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, no fim de uma reunião dos chefes da diplomacia dos Estados-membros do bloco comunitário no Luxemburgo, em que foi adotada uma declaração que afirma que Moscovo e Damasco poderão ter cometido crimes de guerra.

“A última avaliação das agências humanitárias é, no entanto, que são necessárias 12 horas” para permitir o acesso de colunas humanitárias, referiu a representante, acrescentando que “ainda há trabalho a fazer para encontrar um terreno de entendimento”.

Segundo explicou o general Serguei Roudskoi, dois corredores humanitários serão abertos para a retirada de combatentes e outros seis corredores para a retirada de civis.

Antiga capital económica da Síria, Aleppo está dividida desde 2012 entre as forças pró-regime de Damasco (oeste) e as forças rebeldes (leste). A cidade tornou-se um ponto crucial no conflito civil sírio que já fez mais de 300.000 mortos desde 2011.