Última hora

Última hora

Preparado para ter um carro que se conduz sozinho?

Em leitura:

Preparado para ter um carro que se conduz sozinho?

Tamanho do texto Aa Aa

O futuro dos carros autónomos foi um dos temas em destaque no Paris Motor Show deste ano.

O futuro dos carros autónomos foi um dos temas em destaque no Paris Motor Show deste ano.

Grandes fabricantes como a Ford, a Mercedes, a BMW e a Volvo estão a testar veículos que se conduzem sozinhos em ambientes controlados. Mas há empresas, como a Tesla, que já têm automóveis com algumas funções de condução autónoma. Não obstante, os primeiros acidentes devido a falhas no piloto automático também já aconteceram.

Para quando um veículo totalmente autónomo, capaz de ultrapassar obstáculos de condução, por exemplo, numa cidade?

Jim Holder, diretor editorial da Autocar, responde: “A tecnologia de condução autónoma está a evoluir. No próximo ano iremos vê-la na produção de carros, onde já se pode largar o volante durante 30 segundos, que o carro conduzir-se-á sozinho na autoestrada, por exemplo. E a evolução vai continuar por etapas. Prevê-se que a cada cinco, dez, anos o carro tenha mais funções autónomas, até ao ponto em que o condutor possa simplesmente recostar-se” e aproveitar a viagem.

Enquanto isso, as empresas estão a investir fortemente na conectividade dos carros aos novos serviços de controlo de trânsito.

Um veículo sem condutor terá certamente um design diferente. Mas o que também irá mudar é a relação homem/máquina.

Holder assegura: “O veículo autónomo está a chegar. Mas os fabricantes ainda estão a discutir quanto controlo deve ter um carro ou um condutor. Há um problema de legislação: se houver um acidente, de quem é a culpa. E há ainda uma discussão sobre se um carro continua a ser um carro depois de o humano lhe ceder todo o controlo.”

As opiniões quanto a automóveis conduzirem-se sozinhos variam.
Há pessoas mais otimistas: “É a evolução. Porque quereria eu conduzir até ao escritório e estar atento à estrada quando poderia estar a ler o jornal ou um livro, ou até a tirar uma sesta enquanto o carro me leva para casa. Parece-me fantástico”, diz um inglês.
E há os que ainda se mantêm desconfiados: “De momento, não confio neste tipo de veículos. Nos próximos anos terão de me provar que posso confiar. Por enquanto, prefiro ser eu a conduzir”, afirma um francês.

Ver um carro conduzir sozinho pode, no entanto, estar mais próximo do que se julga. Em Singapura, por exemplo, os primeiros táxis autónomos já começam a dar boleia e o objetivo final é ter uma frota de táxis totalmente autónomos até 2018.