Última hora

Última hora

Comissão Baleeira Internacional discute propostas do Brasil e da Austrália

Houve protestos contra a caça à baleia no primeiro dia da sessão plenária da Comissão Baleeira Internacional, que vai estar reunida na Eslovénia até sexta-feira.

Em leitura:

Comissão Baleeira Internacional discute propostas do Brasil e da Austrália

Tamanho do texto Aa Aa

Houve protestos contra a caça à baleia no primeiro dia da sessão plenária da Comissão Baleeira Internacional, que vai estar reunida na Eslovénia até sexta-feira. Os países-membros vão discutir uma proposta da Austrália para examinar mais atentamente as licenças emitidas pelo Japão para a caça à baleia com fins científicos, que desafiam a moratória.

“A ciência é necessária quando caçamos ou pescamos. A utilização dos recursos naturais precisa de ser sustentada por evidências científicas. A forma de fazer essa investigação científica pode ser diferente, mas a ciência continua a ser necessária”, defendeu Joji Morishta, chefe da delegação japonesa.

A Austrália defende que não é preciso caçar baleias para investigar. “A Austrália investiu quantidades significativas de dinheiro e ajudou uma iniciativa que é hoje a Twelve Nation Southern Ocean Research Partnership, que enfatiza meios de investigação não letais. Marcação acústica, estações de escuta subaquáticas e localização por satélite podem fornecer-nos métodos eficazes e suficientes de pesquisa, sem usar o método letal”, afirmou o ministro australiano do Ambiente, Josh Frydenberg.

O Japão, a Islândia e a Noruega caçam baleias por razões científicas, enquanto o Canadá, a Rússia e a Dinamarca o fazem por tradição.

Outro assunto em cima da mesa na sessão plenária da Comissão Baleeira Internacional será a proposta do Brasil e de muitos outros países sul-americanos e africanos para estabelecer um novo santuário de baleias no Oceano Atlântico.