Última hora

Última hora

Toyota recolhe mais 5,8 milhões de "airbags" incluindo 31 mil veículos em Portugal

O sistema de segurança foi desenvolvido pela Takata, está já relacionado a pelo menos 16 mortes e pode custar, por isso, pesadas indemnizações.

Em leitura:

Toyota recolhe mais 5,8 milhões de "airbags" incluindo 31 mil veículos em Portugal

Tamanho do texto Aa Aa

A Toyota anunciou esta quarta-feira a recolha de mais 5,8 milhões de ‘airbags’ do fabricante Takata, associados a pelo menos 16 mortes por causa de um defeito.

O maior fabricante automóvel disse que irá recolher 1,47 milhões de ‘airbags’ instalados em carros vendidos na Europa (31.000, em Portugal), 1,16 milhões de unidades no Japão, 820 mil unidades na China e 2,35 milhões noutras regiões, excluindo os Estados Unidos, onde já tinham sido anunciadas antes a chamada de viaturas afetadas para revisão.

 

Carros afetados em Portugal

A Toyota vai recolher em Portugal 31.383 veículos. O “airbag” defeituoso afeta o lugar do passageiro em 21.971 dos veículos e o lugar do condutor nos restantes 9412. Os principais modelos vítimas desta anomalia são o Hilux (Kun 25, 26 e 35), o Auris (E15), o corolla (E15) e o Yaris (P13 e P90).

A marca “vai contactar diretamente os clientes das viaturas envolvidas (por carta registada) para que, mediante disponibilidade, se desloquem à Rede Oficial de Concessionários Toyota”, disse ao Público um dos porta-voz portugueses da fabricante, Vitor Marques. A operação não tem custos para os clientes e a susbtituição do sistema de airbags demorará entre uma e três horas.

O fabricante de peças de automóvel Takata arrisca-se a pagar enormes indemnizações devido ao defeito nos sistemas de ‘airbag’, ligado a pelo menos 16 mortes.

O anúncio desta quarta-feira eleva o número de ‘airbags’ da Takata recolhidos para os 23,1 milhões.

Os modelos afetados incluem o Corolla e o Vitz/Yaris, e foram produzidos entre maio de 2000 e novembro de 2001 ou entre abril de 2006 e dezembro de 2014, segundo a Toyota.

Texto: Lusa (ISG // MP)
Edição: Francisco Marques.