Última hora

Em leitura:

Morreu o neurocirugião português João Lobo Antunes (1944-2016)


mundo

Morreu o neurocirugião português João Lobo Antunes (1944-2016)

O neurocirurgião João Lobo Antunes faleceu esta quinta-feira, aos 72 anos, revelou à agência Lusa fonte do Ministério da Saúde.

Licenciado em Medicina pela Universidade de Lisboa com uma média final de 19,47 valores, foi professor catedrático de neurocirurgia da Faculdade de Medicina de Lisboa e foi diretor de serviço de neurocirurgia do Hospital de Santa Maria, em Lisboa. João Lobo Antunes era atualmente presidente do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida.


O neurocirurgião dedicou-se principalmente ao estudo do hipotálamo e da hipófise. No ano passado, foi-lhe atribuído o Prémio Nacional de Saúde 2015, altura em que foi recordado como o primeiro médico da história a implantar um olho eletrónico num cego, um implante que desde então já foi feito em 15 invisuais, permitindo-lhes ver algumas formas e distinguir certas cores.

No último dia de 25 de abril recebeu das mãos do Presidente da República a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade. Já antes tinha recebido a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique e a Grã Cruz da Ordem Militar de Sant’Iágua de Espada. Depois de agraciado em 1996 com Prémio Pessoa, recebeu em 2003 a Medalha de Ouro de mérito do Ministério da Saúde e em 2013 o Prémio da Universidade de Lisboa.

Foi Vice-Presidente para a Europa do World Federation of Neurosurgical Society (1990), Presidente da Sociedade Europeia de Neurocirurgia (1999-2003), do Conselho Superior de Ciência, Tecnologia e Inovação (2003-2006), da Sociedade de Ciências Médicas de Lisboa e da Academia Portuguesa de Medicina e Professor Convidado da Universidade de Pequim.

A nível político, foi mandatário nacional das candidaturas presidenciais de Jorge Sampaio, em 1996 e de Cavaco Silva em 2006. Com Cavaco Silva, João Lobo Antunes fez depois parte do Conselho de Estado.

Presidente lamenta perda de “um amigo e um grande português”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou em Havana a morte do neurocirurgião João Lobo Antunes: “um grande português” e “uma figura ímpar”, destacou.


No final de uma visita à fábrica de charutos Cohiba, em Havana, o próprio Presidente informou os jornalistas da morte de João Lobo Antunes e fez uma declaração “de homenagem e evocação” do neurocirurgião e apresentou condolências à sua família.

Marcelo Rebelo de Sousa, que termina esta quinta-feira uma visita de Estado de dois dias a Cuba, lembrou João Lobo Antunes como “uma figura ímpar” e “um grande académico, um grande intelectual, com uma cultura vastíssima”.

O chefe de Estado evocou ainda o neurocirurgião como “uma figura cimeira no domínio da saúde e da ética das ciências da vida”, “respeitado por toda a sociedade portuguesa”, incluindo colegas de medicina, alunos e doentes. “É uma perda de um amigo, mas é também a perda de um grande português”, sublinhou.


Texto: Lusa (ARP/AL/ IEL/SMA)
Edição: Francisco Marques

Artigo seguinte

mundo

Yazidis violadas e torturadas ganham prémio Sakharov