Última hora

Em leitura:

Casa Houdini: único museu europeu do "rei das algemas"


Cult

Casa Houdini: único museu europeu do "rei das algemas"

Em parceria com

Harry Houdini foi um dos maiores ilusionistas do mundo. Nascido em Budapeste, nos finais do século XIX, faleceu nos Estados Unidos nos anos 20 do século XX.

A Casa de Houdini, na capital húngara, é o único lugar da Europa dedicado à sua memória.

O cofundador do museu, David Merlini, coleciona objetos relacionados com o ilusionista, conhecido como o “rei das algemas”.

“No leilão onde comprei estas algemas, por exemplo, havia muita gente interessada nos seus objetos e disposta a pagar muito dinheiro. O impacto que teve no mundo da magia e da cultura em geral é incrível”, explica Merlini, também ele ilusionista, especialista em fugas.

A família de Houdini emigrou para os Estados Unidos quando o pequeno Erik Weisz – que era o seu verdadeiro nome – tinha apenas quatro anos.

Adolescente, mudou-se de Wisconsin para Nova Iorque para trabalhar numa fábrica.

Ao ler a autobiografia do ilusionista francês Jean Eugène Robert-Houdin – pai da magia moderna – Erik decidiu chamar-se Houdini.

O museu apresenta também a minissérie que o Canal História filmou, em 2014, em Budapeste, na qual o ator americano de ascendência húngara, Adrien Brody, protagonizou o ilusionista.

“Todas as pessoas têm um pouco de Houdini na sua alma. Todas gostariam de escapar-se de certas situações. Algumas são valentes e fazem-no, mas outras não. A história de Houdini é a de um homem humilde que conseguiu conquistar o mundo. É uma história que continua a inspirar muita gente”, admite Merlini.

Para além da exposição permanente, a Casa de Houdini, em Budapeste, oferece também, aos visitantes, espetáculos de magia em direto.

ALL VIEWS

Clique para descobrir
Artigo seguinte

Cult

A arte e a cultura como forma de resolver conflitos