Última hora

Última hora

Damasco acusa EUA de querer "empurrar EI de Mossul para território sírio"

Em leitura:

Damasco acusa EUA de querer "empurrar EI de Mossul para território sírio"

Damasco acusa EUA de querer "empurrar EI de Mossul para território sírio"
Tamanho do texto Aa Aa

Rússia, Irão e Síria denunciaram o que consideram ser uma, “campanha de mentiras”, sobre o conflito sírio.

Os responsáveis diplomáticos dos três países, reunidos em Moscovo voltaram a negar qualquer implicação nos bombardeamentos contra civis e comboios humanitários em Alepo.

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, apelou mesmo à ONU para que não embarque no que considerou uma campanha de “mentiras”.

“O presidente Putin sugeriu que começássemos a preparar um ‘plano Marshall’ para a reconstrução da Síria. Pensamos que os terroristas não são os únicos responsáveis pelo agravamento da situação socio-económica da população, mas também os países que estão por detrás das sanções económicas ilegais contra a Síria que atingiram antes de mais a população civil”, afirmou Lavrov.

Ao final da reunião trilateral, os três responsáveis afirmaram estar prontos a reativar o cessar-fogo em Alepo, mostrando-se preocupados com as consequências da ofensiva internacional contra o grupo Estado Islâmico (EI), em Mossul, no Iraque.

Para o ministro dos Negócios Estrangeiro sírio, Walid al-Muallem:

“A coligação internacional não quer destruir o grupo Estado Islâmico, quer empurrá-lo de Mossul para Raqqa. Estou contente de ouvir o senhor Lavrov a dizer que vamos evitar que tal aconteça”.

O encontro em Moscovo decorreu ao mesmo tempo em que os rebeldes sírios anunciaram ter iniciado uma contra-ofensiva em Alepo, para assumir o controlo do oeste da cidade, às mãos das forças do regime.