Última hora

Última hora

NATO: "Trump colocou em palavras aquilo que muita gente pensa"

As afirmações de Trump sobre a decadência da NATO têm fundamento? O Insiders entrevistou Mario Del Pero, especialista nas relações transatlânticas.

Em leitura:

NATO: "Trump colocou em palavras aquilo que muita gente pensa"

Tamanho do texto Aa Aa

Até que ponto têm fundamento as afirmações de Donald Trump sobre a decadência da NATO? O TTIP, o acordo comercial entre a UE e os Estados Unidos, está definitivamente enterrado? O Insiders entrevistou o professor universitário Mario Del Pero, especialista nas relações transatlânticas.

Sophie Claudet, euronews: Segundo Trump, a NATO é obsoleta e não está preparada para combater o terrorismo. Como vê esta posição?

Mario Del Pero: Trump colocou em palavras aquilo que muita gente pensa. A NATO está, de certa forma, obsoleta. E isso desde 1991, quando se começou a questionar qual é exatamente a missão que deve assumir. Se olharmos para os conceitos estratégicos que a NATO foi apresentando ao longo do tempo, constatamos que estão cheios de lugares-comuns e têm muito pouco conteúdo. É verdade que a crise ucraniana veio dar um novo alento à missão da NATO, sobretudo através do apoio político e diplomático americano – mais do que militar, até – aos países europeus e a democracias que podem ser mais frágeis, Mas, ao mesmo tempo, a crise ucraniana abriu divisões no seio da Europa e no seio da NATO. Essa é a grande variável que tem de se saber gerir hoje em dia.

euronews: Clinton tem estado do lado da NATO. Mas significa isso que ela não irá exigir mais dos aliados?

MDP: O grande tema subjacente é a Rússia. Durante a campanha eleitoral, tanto Clinton como os seus consultores tomaram posições marcadamente anti-Moscovo. Mas a questão é que esta ênfase sobre a Rússia coloca o foco geopolítico americano sobre a Europa, porque se pretende que os europeus assumam um novo papel. Estou a pensar, sobretudo, na Alemanha, que tem de conseguir fazer de intermediário entre a Rússia e os Estados Unidos, e ao mesmo tempo de limitar a pressão que os americanos podem exercer.

euronews: No que diz respeito ao comércio e ao TTIP… Obama não teve tempo de o fazer progredir; Trump ameaça aniquilá-lo; Clinton tem recuado no apoio ao acordo. Há países europeus que são totalmente contra esta parceria. O TTIP morreu?

MDP: O TTIP está num estado comatoso, mas não podemos declará-lo como morto. Durante a campanha, Clinton adotou uma postura anti-livre comércio, mas isso motiva-se sobretudo pela estratégia eleitoral. É previsível que, uma vez na Casa Branca, regresse a uma posição mais favorável ao livre comércio. Dado o contexto político que se vive nos Estados Unidos e na Europa, diria que é isso mesmo que Clinton vai fazer, discretamente e com muita calma.