Última hora

Em leitura:

Brexit: Governo britânico acredita que manterá o calendário


A redação de Bruxelas

Brexit: Governo britânico acredita que manterá o calendário

Apesar da decisão judicial que pede a consulta ao parlamento, a chefe do governo britânico garantiu, num telefonema ao presidente da Comissão Europeia, esta sexta-feira, que pretende dar início às negociações para a saída da União Europeia até março, tal como previsto.

Theresa May também telefonou a Angela Merkel, mas as declarações de viva voz à imprensa foram feitas pelo seu chefe da diplomacia, em Berlim, após uma reunião com o homólogo, Frank-Walter Steinmeier.

Boris Johnson afirmou que “é muito importante reconhecer que o povo britânico votou a favor da saída da União Europeia, da retirada dos tratados da União Europeia, e é isso que vamos começar a fazer. E não acho – para responder a uma pergunta que não foi feita – que a decisão judicial possa interferir no calendário estabelecido para este processo”.

Aos outros 27 países resta esperar, já que nada podem fazer até que seja invocado o artigo 50 do Tratado da União Europeia, como reafirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão.

Frank-Walter Steinmeier disse que “vamos esperar para ver qual é o posicionamento britânico em relação ao pedido de saída da União. Depois disso, as negociações deverão começar o mais rapidamente possível, mas não penso que possam ser feitas quaisquer negociações preliminares”.

Theresa May teve a sua estreia numa cimeira da União Europeia, em Bruxelas, em outubro, altura em que se mostrou muito confiante sobre o calendário, mas agora tudo depende do resultado do apelo que apresentou junto do tribunal.

Há pontos de vista diferentes para cada história: a Euronews conta com jornalistas do mundo inteiro para oferecer uma perspetiva local num contexto global. Conheça a atualidade tal como as outras línguas do nosso canal a apresentam.

tradução automática

tradução automática

Artigo seguinte

A redação de Bruxelas

Breves de Bruxelas: obstáculos no Brexit e as desculpas de Oettinger