Última hora

Em leitura:

Nigéria: Estudante de Chibok encontrada com filho de 10 meses


Nigéria

Nigéria: Estudante de Chibok encontrada com filho de 10 meses

Com Reuters e AFP

O exército federal da Nigéria anunciou a libertação de uma das estudantes de Chibok (estado de Borno, nordeste), raptadas pelos jihadistas do Boko Haram há mais de dois anos.

Maryam Ali Maiyanga trouxe consigo um menino de 10 meses chamado Ali. Fazem parte de um grupo que escapou da floresta de Sambisa, onde se encontram escondidos os membros do Boko Haram.

A jovem foi encontrada em Pulka, Borno, perto da fronteira com o norte dos Camarões

A libertação da estudante foi confirmada pelo grupo _“Bring Back Our Girls”:http://www.bringbackourgirls.ng/, formado depois do rapto de 276 estudantes em abril de 2014.

Dia 14 de outubro, 21 estudantes foram libertadas pelos jihadistas, depois de negociações com o Governo da Nigéria.


Falta ainda conseguir a liberdade das jovens que permanecem em cativeiro, pelo que as negociações entre o Executivo e o grupo jihadista, agora dividido em diferentes fações, continuam.

Mais de 50 estudantes tinham conseguido fugir pouco tempo depois do rapto.

O rapto das estudantes de Chibok provocou uma onda de indignação internacional e foi tema de debate durante uma campanha eleitoral na Nigéria.

O atual presidente Muhammadu Buhari, eleito em maio de 2015, foi criticado em diversas ocasiões por não ter conseguido libertar todas as estudantes.

Em 2015, começou uma ofensiva contra os militantes jihadistas com a ajuda dos países vizinhos da Nigéria.

Mas o Boko Haram continua a lançar ataques, de forma esporádica, em localidades da região de Maiduguri, a capital do estado de Borno.

Pensa-se que milhares de pessoas se encontram ainda nas mãos dos extremistas.

A rebelião islamista e a contundente repressão por parte do Governo federal deixou pelo menos 20 mil mortos e 2,6 milhões de deslocados nos últimos sete anos.

O Boko Haram (A educação ocidental é pecado) é um grupo armado de ideologia islamista radical sunita, cujo objetivo é impôr a charia ou lei islâmica na Nigéria e a luta contra o que entende como a ocidentalização do país africano.

Depois de prestar juramento aos jihadistas do autoproclamado Estado Islâmico (EI) ou Daesh (sigla em língua árabe), o Boko Haram fez-se chamar Estado Islâmico da Província da África Ocidental.