Última hora

Em leitura:

Prossegue a calamidade no Haiti um mês após o furacão "Matthew"


Haiti

Prossegue a calamidade no Haiti um mês após o furacão "Matthew"

Um mês após a devastadora passagem do furacão Matthew, o Haiti continua a lutar contra calamidade provocada pela destruição, a escassez de alimentos, a proliferação de doenças e a falta de meios para auxiliar os — garantem as Nações Unidas — 1,4 milhões de pessoas a necessitar de assistência humanitária, dos quais 40 por cento serão crianças.

“Demasiadas crianças estão ainda sem casa, com fome, sem escola e em perigo”, alertou Marc Vincent, o representante da UNICEF no Haiti.

O organismo da ONU de apoio às crianças estima terem sido espoletados, somente desde a passagem do “Matthew”, pelo menos 1000 novos casos de cólera entre crianças, uma epidemia agora com menos oposição no Haiti depois de 19 dos 219 centros de tratamento desta doença terem sido danificados pelo furacão na zona mais afetada da ilha, o sudoeste.

O Presidente do Haiti anunciou esta sexta-feira a implementação neste mês de novembro pelo Ministério da Agricultura da “campanha de inverno”. Jocelerme Privert garantiu um investimento de dois milhões de gourdes (cerca de 27,5 milhões de euros) para “reforçar a ajuda humanitária e evitar a fome à escala nacional.”

Com o desespero a crescer entre a população, na terça-feira uma segunda pessoa morreu durante uma distribuição de alimentos. Desta vez, um adolescente, em Les Cayes, no sudoeste da ilha. A polícia alegou que o incidente ocorreu quando a distribuição de ajuda ficou fora de controlo devido à desordem das pessoas.

Alguns dias antes, a 25 de outubro, uma rapariga de 18 anos também tinha morrido e outras cinco três pessoas ficaram feridas devido a disparos da polícia na localidade de Dame Marie, também no sudoeste da ilha e igualmente no decorrer de uma distribuição de ajuda.

A passagem do furacão “Matthew”, a quatro de outubro, matou 546 pessoas, feriu 438 e obrigou a deslocar 175.509, de acordo com o ultimos números oficiais adiantados pelo governo haitiano e citados pelas Nações Unidas.