This content is not available in your region

Batalha por Mossul: Mais uma cidade conquistada e uma vala comum descoberta

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques  com REUTERS, RUDAW
Batalha por Mossul: Mais uma cidade conquistada e uma vala comum descoberta

<p>Há menos uma cidade no Iraque na posse do grupo terrorista autoproclamado Estado Islâmico (“Daesh”/ <span class="caps">ISIL</span>). Os Peshmerga, os combatentes curdos iraquianos, reconquistaram esta segunda-feira o controlo da cidade de Bashiqa, 13 quilómetros a nordeste de Mossul.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr"><span class="caps">UPDATE</span>: Peshmerga control <a href="https://twitter.com/hashtag/Bashiqa?src=hash">#Bashiqa</a>, northeastern <a href="https://twitter.com/hashtag/Mosul?src=hash">#Mosul</a> <a href="https://t.co/DJPQGYaqAJ">https://t.co/DJPQGYaqAJ</a><a href="https://twitter.com/hashtag/TwitterKurds?src=hash">#TwitterKurds</a> <a href="https://t.co/kveIe19UG0">pic.twitter.com/kveIe19UG0</a></p>— Kurdistan24 English (@K24English) <a href="https://twitter.com/K24English/status/795610715080065024">7 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>A reconquista de Bashiqa foi anunciada ao final da tarde desta segunda-feira e representa mais um importante passo na ofensiva por Mossul, iniciada há três semanas.</p> <p>Já dentro dos limites da capital da província, a chegada dos soldados iraquianos ao distrito de Intisar, no sudeste da cidade, foi recebido em festa pelos residentes e com bandeiras do Iraque a esvoaçarem em sinal de alívio pelo fim da opressão dos “jihadistas.”</p> <img src="http://www.daeshdaily.com/wp-content/uploads/2016/03/Mosul-Area-Map.jpg" width="100%" height=auto> <p>A batalha por Mossul começou a 17 de outubro, com várias frentes e envolvendo mais de 30 mil soldados iraquianos, quatro mil combatentes curdos e várias outras forças de apoio, incluindo cerca de cinco mil soldados norte-americanos e raídes aéreos pela coligação liderada pelo Pentágono. </p> <p>O objetivo é arrasar a presença do grupo terrorista na região e agora contando também com uma operação similar do outro lado da fronteira com a Síria: a batalha por Raqqa.</p> <p>Tal como agora, Bashiqqa, no nordeste, no domingo, a sul de Mossul, também Hamam al-Alil já havia sido proclamada livre da presença dos radicais. Nas operações de verificação da zona foi encontrada uma vala comum com cerca de uma centena de cadáveres e, nas buscas porta a porta, foi descoberta entretanto uma prisão que seria utilizada pelo grupo Estado Islâmico para quem não se subjugasse.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">Turkey's call to save <a href="https://twitter.com/hashtag/Mosul?src=hash">#Mosul</a> comes too late; <a href="https://twitter.com/hashtag/Daesh?src=hash">#Daesh</a> massacred 100s as more mass graves discovered in <a href="https://twitter.com/hashtag/HamamAlil?src=hash">#HamamAlil</a> <a href="https://t.co/iqyqP38Z8I">pic.twitter.com/iqyqP38Z8I</a></p>— Yusra Mahdi (@Temimi_Yusra) <a href="https://twitter.com/Temimi_Yusra/status/795737457606197248">7 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Riyad Ahmad Thaer vive em Hamma al-Ali e conta que os extremistas “reuniam os homens que se opunham ao ‘Daesh’ e até outros que nem se manifestavam e os respetivos familiares”. “Batiam-lhes e forçavam-nos a vir para esta prisão. Vi algumas camionetas chegarem carregadas de homens para ali serem mortos”, garante. </p> <h3>Agência curda atualiza progresso da ofensiva</h3> <p>A agência curda Rudaw, por fim, conclui <a href="http://rudaw.net/english/kurdistan/07112016">o relato deste 22.° dia da ofensiva por Mossul</a> com o anúncio das forças iraquianas da libertação de cinco localidades a leste de Mosul. Na frente de sudoeste, a polícia federal iraquiana e as forças especiais da província de Ninawa libertaram Qabir al-Abid, a norte de Hamam al-Alil, e Marij, prosseguindo ainda com a limpeza dos explosivos “plantados” pelos “jihadistas” antes de fugirem de Hamam al-Alil.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr"><span class="caps">ISF</span> liberate key town of Hamam al-'Alil & 2 villages in S axis<br /> clash inside <a href="https://twitter.com/hashtag/Mosul?src=hash">#Mosul</a><a href="https://twitter.com/hashtag/Iraq?src=hash">#Iraq</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/MosulOps?src=hash">#MosulOps</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/%D8%A7%D9%84%D9%85%D9%88%D8%B5%D9%84?src=hash">#الموصل</a><br /> map in <a href="https://t.co/apmL07jthq">https://t.co/apmL07jthq</a> <a href="https://t.co/oTJs5CqU6t">pic.twitter.com/oTJs5CqU6t</a></p>— Tuto (@Tutomap) <a href="https://twitter.com/Tutomap/status/794948164621074432">5 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Na frente de sudeste, a “9.a divisão armada e a terceira brigada”, como descreve a Rudaw, libertaram a cidad de Manarat Shabak e entraram na zona leste já dentro dos limites de Mossul, incluindo no bairro de Intisar.</p> <p>Ao fim da noite, a Rudaw noticiou ainda a morte de um alto comandante do grupo Estado Islâmico cerca de 50 quilómetros a norte de Bagdade. “O apelidado comandante militar de Bagdade e Diyala Vilayet, Abu Maryam, foi morto num ataque com um drone em al-Tarmia”, terá informado o gabinete de imprensa da guerra no Iraque.</p>