This content is not available in your region

França: Profissionais de saúde protestam contra degradação das condições de trabalho

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira
França: Profissionais de saúde protestam contra degradação das condições de trabalho

<p>Cerca de um milhar de enfermeiros e pessoal hospitalar, segundo os media franceses, manifestaram-se, esta terça-feira, em Paris, contra a degradação das suas condições de trabalho. </p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="fr"><p lang="fr" dir="ltr"><a href="https://twitter.com/hashtag/Manifestation?src=hash">#Manifestation</a> des <a href="https://twitter.com/hashtag/infirmieres?src=hash">#infirmieres</a> en colère : “les réformes hospitalières engagées ont aggravé la situation” <a href="https://t.co/qz6vNhEEfq">https://t.co/qz6vNhEEfq</a> <a href="https://t.co/cgGKg2KKvu">pic.twitter.com/cgGKg2KKvu</a></p>— RT France (@RTenfrancais) <a href="https://twitter.com/RTenfrancais/status/795948846211891200">8 novembre 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Queixam-se de falta de investimento no setor, de salários baixos, de exaustão, por falta de pessoal, o que leva a que se sintam sobrecarregados e sem tempo para atender, como deve ser, os pacientes. </p> <p>Uma situação que, acreditam, já levou profissionais ao suicídio: </p> <p>“O hospital está a «rebentar pelas costuras», tivemos dezenas de casos de suicídio num ano. Passamos de plano de austeridade a “cura” de austeridade, não temos os meios para trabalhar, batemo-nos pela qualidade dos cuidados, pela qualidade de vida no trabalho”, afirma Jean Vigne secretário-geral do sindicato Sud Santé Sociaux.</p> <p>“As pessoas não estão na rua para chatear, estão para dizer que não podemos trabalhar em condições como estas, com menos funcionários, menos orçamento, e cuidar dos doentes de forma adequada e com dignidade”, diz Christelle Blonbou, representante dos profissionais de virologia. </p> <p><em>O protesto aconteceu também em Lyon</em></p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="fr"><p lang="fr" dir="ltr">Entre 1300 et 2000 <a href="https://twitter.com/hashtag/infirmi%C3%A8res?src=hash">#infirmières</a> en colère manifestent à <a href="https://twitter.com/hashtag/Lyon?src=hash">#Lyon</a> <a href="https://t.co/Y9ol6UR3Zy">pic.twitter.com/Y9ol6UR3Zy</a></p>— Montaron Sylvie (@MontaronSylvie) <a href="https://twitter.com/MontaronSylvie/status/796008877116493825">8 novembre 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Do lado governamental o ministro da Saúde garante que foram criados, desde 2012, 31,000 novos postos de trabalho, entre eles 26,000 para enfermeiros e que foram disponibilizados 589 milhões de euros para aumentos salariais.</p>