Presidenciais EUA: A euronews no local da festa do sucessor de Obama

Access to the comments Comentários
De  Francisco Marques  com Stefan Grobe
Presidenciais EUA: A euronews no local da festa do sucessor de Obama

<p>Como foram vividas em Nova Iorque as últimas horas da campanha presidencial nos Estados Unidos? A <b>euronews</b> foi descobrir.</p> <p>É nesta cidade que residem mais tempo os dois principais candidatos a suceder a Barack Obama na Casa Branca. Será também aqui que tanto Donald Trump como Hillary Clinton vão estar e, certamente assim o desejam, festejar a respetiva vitória nas presidenciais norte-americanas. Só um, porém, poderá ganhar.</p> <p>Após uma queda nas sondagens devido à descoberta e análise pelo <span class="caps">FBI</span> de um novo lote de mensagens eletrónicas relacionadas a uma investigação que a afeta diretamente, a antiga secretária do Estado tem vindo a recuperar nestes dois últimos dias depois da agência federal ter reiterado não haver provas de qualquer crime. </p> <p><img src="https://static.euronews.com/articles/34/89/348971/640x126_bonus-RealClearPolitics07nov2016.jpg" alt="" /></p> <p>Hillary chegou à véspera das eleições com uma vantagem de 3,2 pontos na <a href="http://www.realclearpolitics.com/epolls/2016/president/us/general_election_trump_vs_clinton_vs_johnson_vs_stein-5952.html">média acumulada pelo site Real Clear Politics</a> de entre várias sondagens. Contudo, sondagens não elegem presidentes, os votos nas urnas sim e até ao fim do escrutínio tudo pode acontecer. </p> <p>Como aliás pudemos ver em junho passado, no Reino Unido, com o controverso referendo pelo “Brexit”, o processo de saída da União Europeia que os britânicos acabaram por aprovar à tira e do qual já muitos se arrependeram a esta altura.</p> <p>Desde o início de setembro que é possível votar em alguns estados norte-americanos. O voto antecipado é um processo que pretende fomentar a participação e isso permitiu a muitos eleitores cumprir o dever cívico por antecipação. O ainda Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama foi um desses casos durante uma visita a Chicago.</p> <p>O dia de eleições propriamente dito é esta terça-feira. Por todo o território, as urnas abrem às 07 horas locais e fecham às 20h.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">What time will polls close on election night? (And when will we know who won?) <a href="https://t.co/6LkgFkzutH">https://t.co/6LkgFkzutH</a></p>— The New York Times (@nytimes) <a href="https://twitter.com/nytimes/status/795794483443093508">8 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Pela nossa incursão por Nova Iorque, encontrámos apoiantes de ambos os candidatos e… opositores de ambos os candidatos. Parece a mesma coisa, mas não o é exatamente. Ainda assim, um dos mais esclarecidos que encontrámos foi um célebre “cowboy” cantor.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">Cheeky <a href="https://twitter.com/hashtag/nyc?src=hash">#nyc</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/nakedcowboy?src=hash">#nakedcowboy</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Election2016?src=hash">#Election2016</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/Trump?src=hash">#Trump</a> <a href="https://t.co/GOJmml2IZv">pic.twitter.com/GOJmml2IZv</a></p>— Mark Davis (@mlad_euronews) <a href="https://twitter.com/mlad_euronews/status/795744298474029056">7 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Confesso apoiante de Donald Trump, Robert John Burck é uma das atrações turísticas das ruas nova-iorquinas e tem aproveitado o mediatismo de tocar envergando apenas um chapéu, umas cuecas e botas para apoiar a causa do candidato republicano. </p> <p>“Donald Trump trabalha para o povo. Não é para as mulheres, para os negros, para os latinos nem para nenhuma dessas franjas. Ele trabalha para a América, primeiro”, defendeu o “cowboy nudista.”</p> <p>Noutra rua, encontrámos um eleitor saturado de Trump. “Ele tem vindo a operar em Nova Iorque há já 40 anos. Tem sido arrogante, mandão e, para além de muitos outros defeitos, é um palerma”, atirou este eleitor sem se identificar.</p> <p>Com Bruce Springsteen e Jon Bon Jovi a partilharem o palco com Hillary Clinton, em Filadélfia, no derradeiro comício da democrata antes das eleições, na praça do Parque Washington, em Nova Iorque, Madonna decidiu dar um pequeno e íntimo concerto para promover o voto na antiga secretria de Estado.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">See Madonna perform intimate, acoustic New York gig to support Hillary Clinton <a href="https://t.co/W3GVTNMRff">https://t.co/W3GVTNMRff</a></p>— Rolling Stone (@RollingStone) <a href="https://twitter.com/RollingStone/status/795810602019147776">8 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <p>Destino turístico de excelência, encontrámos em Nova Iorque um casal espanhol, a celebrar a lua-de-mel, e que nos deu uma perspetiva europeia destas eleições norte-americanas. “As duas alternativas em causa não são as melhores, mas… temos o Trump, um tipo esquisito e com ideias estranhas, e por isso Hillary será o menos mau. Ela é a melhor opção, mas não é de todo a candidata ideal”, referiu o homem do casal.</p> <p>À espera de saber para rua se deve dirigir para estar na festa do vencedor, é desde Nova Iorque que o correspondente da <b>euronews</b> nos Estados Unidos nos lembra que “chegou finalmente a hora da verdade!” </p> <p>“Os norte-americanos vão escolher o próximo presidente de entre os dois candidatos mais impopulares de sempre. Até ao lavar dos cestos é vindima. Enquanto Donald Trump tem voado por todo o país, procurando esgotar todas as hipóteses de ganhar, Hillary Clinton tem procurado acumular recursos nos estados que lhe podem garantir o triunfo. Nesta ponta final, Trump mantém o entusiasmo e Hillary Clinton a organização para concretizarem o objetivo que ambos pretendem. Poderá Donald Trump conseguir a reviravolta e vencer? Ou conseguirá Hillary Clinton ser a primeira mulher a presidir os Estados Unidos? Estamos a horas desta resposta, finalmente”, conclui Stefan Grobe.</p> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="en" dir="ltr">My friend and colleague Mark <a href="https://twitter.com/mlad_euronews"><code>mlad_euronews</a> finally found an outspoken <a href="https://twitter.com/hashtag/Trump?src=hash">#Trump</a> supporter at Times Square. <a href="https://twitter.com/euronews"></code>euronews</a> <a href="https://t.co/ff6wlSSfxt">pic.twitter.com/ff6wlSSfxt</a></p>— Stefan Grobe (@StefanGrobe1) <a href="https://twitter.com/StefanGrobe1/status/795732932921016320">7 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <blockquote class="twitter-tweet" data-lang="pt" align="center"><p lang="pt" dir="ltr">Nova Iorque pronta para as eleições… <a href="https://t.co/ujxaE751EC">pic.twitter.com/ujxaE751EC</a></p>— Carlos Viana (@carlosaviana) <a href="https://twitter.com/carlosaviana/status/795758678351761409">7 de novembro de 2016</a></blockquote> <script async src="//platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>