Última hora

Última hora

Presidenciais EUA: A euronews no local da festa do sucessor de Obama

O nosso correspondente nos Estados Unidos trocou Washington por Nova Iorque, a cidade onde Donald Trump e Hillary Clinton agendaram passar a noite após o fecho das urnas.

Em leitura:

Presidenciais EUA: A euronews no local da festa do sucessor de Obama

Tamanho do texto Aa Aa

Como foram vividas em Nova Iorque as últimas horas da campanha presidencial nos Estados Unidos? A euronews foi descobrir.

Point of view

As duas alternativas em causa não são as melhores, mas... temos o Trump, um tipo esquisito e com ideias estranhas, e por isso Hillary será o menos mau.

Anónimo espanhol Turista em Nova Iorque

É nesta cidade que residem mais tempo os dois principais candidatos a suceder a Barack Obama na Casa Branca. Será também aqui que tanto Donald Trump como Hillary Clinton vão estar e, certamente assim o desejam, festejar a respetiva vitória nas presidenciais norte-americanas. Só um, porém, poderá ganhar.

Após uma queda nas sondagens devido à descoberta e análise pelo FBI de um novo lote de mensagens eletrónicas relacionadas a uma investigação que a afeta diretamente, a antiga secretária do Estado tem vindo a recuperar nestes dois últimos dias depois da agência federal ter reiterado não haver provas de qualquer crime.

Hillary chegou à véspera das eleições com uma vantagem de 3,2 pontos na média acumulada pelo site Real Clear Politics de entre várias sondagens. Contudo, sondagens não elegem presidentes, os votos nas urnas sim e até ao fim do escrutínio tudo pode acontecer.

Como aliás pudemos ver em junho passado, no Reino Unido, com o controverso referendo pelo “Brexit”, o processo de saída da União Europeia que os britânicos acabaram por aprovar à tira e do qual já muitos se arrependeram a esta altura.

Desde o início de setembro que é possível votar em alguns estados norte-americanos. O voto antecipado é um processo que pretende fomentar a participação e isso permitiu a muitos eleitores cumprir o dever cívico por antecipação. O ainda Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama foi um desses casos durante uma visita a Chicago.

O dia de eleições propriamente dito é esta terça-feira. Por todo o território, as urnas abrem às 07 horas locais e fecham às 20h.

Pela nossa incursão por Nova Iorque, encontrámos apoiantes de ambos os candidatos e… opositores de ambos os candidatos. Parece a mesma coisa, mas não o é exatamente. Ainda assim, um dos mais esclarecidos que encontrámos foi um célebre “cowboy” cantor.

Confesso apoiante de Donald Trump, Robert John Burck é uma das atrações turísticas das ruas nova-iorquinas e tem aproveitado o mediatismo de tocar envergando apenas um chapéu, umas cuecas e botas para apoiar a causa do candidato republicano.

“Donald Trump trabalha para o povo. Não é para as mulheres, para os negros, para os latinos nem para nenhuma dessas franjas. Ele trabalha para a América, primeiro”, defendeu o “cowboy nudista.”

Noutra rua, encontrámos um eleitor saturado de Trump. “Ele tem vindo a operar em Nova Iorque há já 40 anos. Tem sido arrogante, mandão e, para além de muitos outros defeitos, é um palerma”, atirou este eleitor sem se identificar.

Com Bruce Springsteen e Jon Bon Jovi a partilharem o palco com Hillary Clinton, em Filadélfia, no derradeiro comício da democrata antes das eleições, na praça do Parque Washington, em Nova Iorque, Madonna decidiu dar um pequeno e íntimo concerto para promover o voto na antiga secretria de Estado.

Destino turístico de excelência, encontrámos em Nova Iorque um casal espanhol, a celebrar a lua-de-mel, e que nos deu uma perspetiva europeia destas eleições norte-americanas. “As duas alternativas em causa não são as melhores, mas… temos o Trump, um tipo esquisito e com ideias estranhas, e por isso Hillary será o menos mau. Ela é a melhor opção, mas não é de todo a candidata ideal”, referiu o homem do casal.

À espera de saber para rua se deve dirigir para estar na festa do vencedor, é desde Nova Iorque que o correspondente da euronews nos Estados Unidos nos lembra que “chegou finalmente a hora da verdade!”

“Os norte-americanos vão escolher o próximo presidente de entre os dois candidatos mais impopulares de sempre. Até ao lavar dos cestos é vindima. Enquanto Donald Trump tem voado por todo o país, procurando esgotar todas as hipóteses de ganhar, Hillary Clinton tem procurado acumular recursos nos estados que lhe podem garantir o triunfo. Nesta ponta final, Trump mantém o entusiasmo e Hillary Clinton a organização para concretizarem o objetivo que ambos pretendem. Poderá Donald Trump conseguir a reviravolta e vencer? Ou conseguirá Hillary Clinton ser a primeira mulher a presidir os Estados Unidos? Estamos a horas desta resposta, finalmente”, conclui Stefan Grobe.