Última hora

Em leitura:

Donovan Bailey, de atleta em part-time a campeão olímpico


Desporto

Donovan Bailey, de atleta em part-time a campeão olímpico

Usain Bolt (Jamaica), Mo Farah (Grã-Bretanha), Wayde van Niekerk (África do Sul), Almaz Ayana (Etiópia), Elaine Thompson (Jamaica) e
Anita Wlodarczyk (Polónia) são os finalistas do prémio de Melhor Atleta do Ano 2016 da Federação Internacional de Atletismo, que acontece dentro de menos de um mês.

A Euronews aproveitou o balanço e foi falar com o antigo campeão olímpico e recordista Mundial dos 100 metros, o canadiano Donovan Bailey.

Euronews: Enquanto preparava esta entrevista encontrei a informação que “Donovan Bailey começou a competir como velocista de 100 m a tempo parcial, em 1991, mas não levou o desporto muito a sério até 1994. Naquela época, também era corretor na bolsa”. É verdade?

Donovan Bailey: Sim, sim. Depois da escola eu estava no setor financeiro, estava nos negócios. Olhava para o atletismo como algo que tinha feito na escola, quando era jovem. Pensava que era um part-time. Realmente, não o levava muito a sério.

E: Então, significa que em apenas dois anos, começou a levar isto sério, tornou-se duplo campeão olímpico e bateu um recorde mundial nos 100 metros! Na sua opinião, isso prova que, para além de trabalho duro, é preciso ter o dom natural para ser o melhor?

Donovan Bailey: Em qualquer desporto, a primeira coisa que se tem de fazer é agradecer aos pais pelos bons genes, por uma boa genética. Eu fui abençoado com isso. Sim, certamente. E o facto de também jogar basquete. Eu era” atleta, não estava a ver televisâo sem fazer nada, antes de começar. Eu treinava. Sempre treinei no duro.

E: Por falar em dom natural. O seu recorde olímpico de Atlanta foi batido por Usain Bolt. Na sua opinião, qual é o segredo dele? Como é possível ser tão rápido e bater os adversários com um sorriso na cara e fazer pose para as câmaras?

Donovan Bailey: Ele foi abençoado com grandes dotes físicos. E é claro que ele é mais alto do que todos os atletas e velocistas anteriores a ele. E há uma coisa que as pessoas precisam entender – quando relaxamos e sorrimos, conseguimos ser mais rápidos.

E: Quem vai substituir Bolt no trono, quando ele se retirar?

Donovan Bailey: Bem, aí … agora há uma grande abertura, um espaço vazio. Quando ele se retirar vai ficar um espaço vazio. Mas eu gosto do canadiano Andre De Grasse. Muito claramente, porque ele é alguém a quem desejo sucesso, e ele é do meu país.

E: Ele é o seu favorito?

Donovan Bailey: Ele é o meu favorito. Obviamente, estou muito confiante, porque ele confia na sua capacidade. Mas todos os dias, a cada hora há um velocista a nascer na Jamaica! (rindo)

E: É possível melhorar, significativamente, os atuais recordes mundiais dos 100 e 200 metros?

Donovan Bailey: Eu acho que sim, podes melhorar se te chamares Usain Bolt. Mas gostava que esses recordes se mantivessem por muito tempo, porque Usain é um velocista muito especial.